A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

14/01/2016 11:00

Choque diz que usa força proporcional e não teme ser "polícia que mata"

Antes, marginais respeitavam abordagem da PM e, hoje, recebem policiais a tiros, analisa sub-comandante

Luana Rodrigues
Sub-comandante do Batalhão de Choque, major Marcus Pollet, em entrevista coletiva à imprensa na manhã de hoje(14). (Foto: Marcos Ermínio)Sub-comandante do Batalhão de Choque, major Marcus Pollet, em entrevista coletiva à imprensa na manhã de hoje(14). (Foto: Marcos Ermínio)

Em pouco mais de 20 dias, oito pessoas apontadas como criminosas foram mortas em conflitos com policiais militares em Campo Grande. Em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (14), o sub-comandante do Batalhão de Choque, major Marcus Pollet, disse que a unidade não tem receio de ficar conhecida como “uma polícia que mata”.

“Não temos esse receio, porque nossas ações de força são legais e proporcionais. A partir do momento que a polícia é repelida com força, ela vai responder com força”, disse o sub-comandante, quando questionado sobre as mortes.

Conforme Pollet, de um tempo para cá, houve uma mudança no comportamento dos criminosos e isso exigiu uma postura mais efetiva da polícia. “Há poucos anos, os marginais respeitavam a voz de abordagem da polícia, hoje em dia eles recebem com tiros. As ações da polícia dependem de como ela é recebida, ninguém está ali para atirar, mas se eles atiram, nós revidamos”, justificou o sub-comandante.

 

Policiais atiraram contra carro roubado, após suposto assaltante desobedecer ordem de parada, no Noroeste (Foto: Marcos Ermínio)Policiais atiraram contra carro roubado, após suposto assaltante desobedecer ordem de parada, no Noroeste (Foto: Marcos Ermínio)
Ainda assustada, vítima contou que assaltantes disseram que iriam matá-la, caso não entregasse mais dinheiro. (Foto: Marcos Ermínio)Ainda assustada, vítima contou que assaltantes disseram que iriam matá-la, caso não entregasse mais dinheiro. (Foto: Marcos Ermínio)

Confronto - Na madrugada de hoje (14), dois assaltantes morreram durante confronto com policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar, no Bairro Vida Nova, em Campo Grande. Rafael Silvestre da Cruz, 25 anos, e Hernandes Dias da Silva, 21 anos, teriam assaltado uma tabacaria no Bairro Nova Lima e foram reconhecidos.

As vítimas são uma mulher de 35 anos e o marido, de 28 anos. Ela, proprietária da tabacaria que fica na Rua Zulmira Borba, contou que estava no local, quando juntamente com o marido foram rendidos pela dupla.

Agressivos, os bandidos trancaram o casal no banheiro e os ameaçaram de morte. “Eles queriam mais dinheiro e estavam violentos. Diziam que iriam me matar se não entregássemos mais dinheiro”, disse a mulher. A dupla fugiu levando um veículo Gol, de cor branca, dinheiro e objetos das vítimas e da tabacaria.

Depois do crime, o casal conseguiu quebrar a porta do banheiro e acionou a polícia. Em rondas, os militares localizaram o carro, no bairro Noroeste.

O motorista, Cleberson de Souza Silva, 19 anos, tentou fugir, mas acabou parando o veículo após ter um dos pneus atingidos por tiros. Rendido, Cleberson disse que não havia participado do roubo e indicou o endereço na Rua Lina Bard, Bairro Vida Nova, onde estavam os dois assaltantes, Rafael e Hernandes, que haviam feito o casal refém.

Na residência, o comandante disse que os policiais contaram tiveram que arrombar a porta porque viram que havia alguém lá dentro, mas apesar de terem se anunciado, ninguém respondeu. Ao abrir a porta, os policiais teriam sido recebidos a tiros e revidaram.

Na sala, Hernandes teria disparado quatro vezes contra os policiais antes de ser alvejado. No quarto, Rafael também atirou duas vezes, antes de ser atingido pelos tiros dos policiais. Os dois baleados foram socorridos, porém já chegaram mortos à Santa Casa.

No local onde os bandidos morreram, a polícia disse que encontrou os objetos das vítimas e duas armas, além de 75 papelotes de pasta base cocaína. Segundo o comandante, Rafael e Hernandes tinham mais de 15 passagens pela polícia, entre elas por tráfico de drogas, roubo e até homicídio.



Parabéns a PM, especialmente ao Batalhão de Choque nas pessoas do Cel. Marcos Paulo, Maj Pollet e todos os guerreiros que integram esse Grupo de Elite. Em que pesem as manifestações equivocadas de parte da sociedade (Direitos Humanos, que só atende os interesses da vagabundagem), as Policias, Civis, Militares e demais, terão sempre o apoio da maioria esmagadora de cidadãos de bem. Obrigado Choque.
 
Fabito da Rosa em 28/01/2016 14:20:55
Parabéns ao batalhão e que não se rendem a pressão midiática.
 
fela em 16/01/2016 11:09:25
Orgulho da PM do Mato Grosso do Sul! Parabéns ao choque, simplesmente formidável.
 
MRK em 14/01/2016 16:30:12
Bandido que revida abordagem atirando contra a policia tem mais é que levar bala, a vida de um policial é muito valiosa para ser perdida nas mãos de um marginal.
 
juvenil marques do vale em 14/01/2016 12:49:46
Cabe uma observação.
Matar em um confronto está dentro da lei.
Mas, as autoridades responsáveis devem tomar os devidos cuidados e apurar rigorosamente se essas mortes estão ocorrendo realmente em um confronto.
Se assim não for feito, corremos o risco de daqui a pouco assistirmos famílias campograndenses chorando a morte de vítimas inocentes.
A polícia tem que cumprir o seu papel, mas, há que haver um rigoroso controle, sob pena de se ver transformada em um grupo de extermínio simplesmente.

Por favor, quem for contestar o que escreví, primeiro leia e entenda o texto para que não
venham com asneiras.

 
Critico em 14/01/2016 11:28:35
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions