ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 16º

Capital

Com contrato fechado, Vila da Melhor Idade ficará pronta em 2024

Após a assinatura da ordem de início de serviços, o prazo é de um ano e nove meses para a obra terminar

Por Caroline Maldonado | 18/05/2022 08:07
Imagem do projeto do Condomínio Campo Grande Melhor Idade. (Imagem: Divulgação/Prefeitura de Campo Grande)
Imagem do projeto do Condomínio Campo Grande Melhor Idade. (Imagem: Divulgação/Prefeitura de Campo Grande)

Foi firmado contrato com a Coplan Construções Planejamentos Industria Comercio Ltda para execução da obra do Condomínio Campo Grande Melhor Idade, conforme publicado na edição de hoje (18) do Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande).

O condomínio, também chamado de Vila da Melhor Idade, será construído próximo ao Horto Florestal, no cruzamento da Avenida Fernando Corrêa da Costa com a Rua Anhanduí, no Bairro Vila Carvalho, região central de Campo Grande.

A obra vai custar R$ 8,8 milhões e após a assinatura da ordem de início de serviços, tem prazo de um ano e nove meses para terminar. Portanto, o condomínio deve ficar pronto no primeiro semestre de 2024.

Os recursos são de empréstimo do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). A construção do condomínio faz parte do Programa de Desenvolvimento Integrado do Município de Campo Grande - Viva Campo Grande II. A obra fica sob a responsabilidade da Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos).

Condomínio - Cada apartamento terá área privativa de 33,70 m², sala integrada com cozinha, área de serviço e um quarto com banheiro. Os moradores serão idosos de baixa renda, que terão de arcar com aluguel social de até R$ 250. O local terá foco na acessibilidade, a fim de garantir boas condições aos inquilinos.

O projeto seria executado no ano passado, com investimento de R$ 3,5 milhões, fazendo parte de conjunto de ações da prefeitura para ampliar a moradia. Em agosto, a obra foi marcada para ser feita neste ano e o orçamento passou a ser de mais de R$ 7 milhões.

A última licitação dizia que o projeto seria avaliado em mais de R$ 10 milhões. Uma ordem de serviço chegou a ser assinada, mas houve redução no montante definido.

Nos siga no Google Notícias