ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, QUARTA  25    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Com estoque no Hemosul baixo, família pede doações para criança com leucemia

Doações entre familiares e amigos de Guilherme não são suficientes; ele precisa do tipo B+, mas todos os outros foram convocados

Por Liniker Ribeiro | 26/01/2020 09:00
Guilherme Henrique Calmon de Arantes, de 10 anos, em tratamento de leucemia (Foto: Divulgação)
Guilherme Henrique Calmon de Arantes, de 10 anos, em tratamento de leucemia (Foto: Divulgação)

Em tratamento intenso contra leucemia, o pequeno Guilherme Henrique Calmon de Arantes, de 10 anos, é mais um paciente que sofre com a falta de bolsas de sangue nos estoques do Hemosul (Hemocentro Coordenador de Mato Grosso do Sul). Precisando de bolsas do tipo sanguíneo B+, familiares e amigos deram início a uma campanha para convocar doares.

"Ele foi diagnosticado com Leucemia, está internado no hospital São Lucas e está fazendo um tratamento intenso de quimioterapia. O estoque de sangue B + está baixo e isso pode comprometer o tratamento dele", explica Stephany Calmon Medina, tia de Guilherme.

Conforme a familiar, as doações entre pessoas que conhecem o menino não estão sendo suficientes. "Descobrimos há doença há 3 semanas a leucemia e estamos correndo contra o tempo. Tem dia que ele usa duas bolsas de sangue", ressalta Stephany.

O alerta para a baixa nos estoques do Hemosul foi foi feito pela hemocentro na última semana. O local entrou em estado de emergência e, por isso, doadores de todos os tipos sanguíneos foram convoncados a doar. O aviso é ainda mais especial para tipagens O positivo e O negativo.

O órgão atende hospitais públicos e privados do Estado e está com estoque abaixo dos 10%. Em Campo Grande a doação pode ser feita no Hemosul da Avenida Fernando Correa da Costa, 1.304, Centro, e no Hospital Regional, no Jardim Aero Rancho. Também há unidades em Dourados, Ponta Porã, Paranaíba e Três lagoas.

Entre os critérios para doar sangue é precisar estar bem alimentado, pesar no mínimo 55 kg, e ter idade entre 16 e 69 anos. Menores de idade precisam estar acompanhados de pais ou responsáveis.

Almoço - Para dar continuidade ao tratamento de Guilherme, a família também realizará um almoço beneficente no dia 16 de fevereiro. "O valor arrecadado será revertido em prol do tratamento dele", afirma a tia.

"Na compra de 5 marmitas, você ganha uma massagem relaxante e uma esfoliação corporal", avisa o banner de divulgação. O almoço será realizado na Rua Alberto da Veiga, 1154, Nova Lima. Mais informações podem ser obtidas pelo número 9.9179-0047.

Com estoque no Hemosul baixo, família pede doações para criança com leucemia
Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário