ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  20    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Com Name preso, acabou fuzilamento, diz delegado

Afirmação foi feita pelo delegado Carlos Delano Gehring

Lucia Morel, Anahí Zurutuza e Ana Beatriz Rodrigues | 17/07/2023 16:32
Delegado Carlos Delano no Tribunal do Júri esta tarde (Foto: Paulo Francis)
Delegado Carlos Delano no Tribunal do Júri esta tarde (Foto: Paulo Francis)

Depoimento do delegado Carlos Delano Gehring Leandro de Souza, que fez parte da força-tarefa da Operação Omertà, que colocou na prisão Jamil Name Filho e outros integrantes de organização criminosa acusada de diversos crimes, revela que depois que foram presos, não houve mais cometimento de crimes com uso de fuzil em Campo Grande.

Delano respondeu à seguinte pergunta do promotor de Justiça Douglas Oldegardo com um sonoro “não”: “depois da prisão dos acusados, Campo Grande voltou a ver crime semelhante, praticado com fuzil, em plena luz do dia? Carros queimados logo depois e etc?”.

O delegado ainda destacou a responder outro questionamento, que sabe que o crime foi cometido por organização criminosa porque “ninguém fala nada. A liderança é forte e tem poder econômico. Há trânsito com autoridades. Há eliminação de provas. Há vários elementos que indicam que sim, foi uma organização criminosa”, sentencia no depoimento.

Lembra ainda que o nome dado à operação, Omertà, remete ao pacto de silêncio vivido na máfia italiana.

Defesa - Advogado Márcio Sandim, que faz a defesa de Vladenilson Daniel Olmedo, conhecido como "Vlad", fez três perguntas a Delano, que afirmou que ficou comprovado que Vlad cuidou a casa do Matheus dias antes do crime, mas não soube confirmar se ele entregou armamento para alguém cometer o crime ou se ele estava perto do local no dia do assassinato.

A defesa de Marcelo Rios, Márcio Widal, também foi sucinta, e as respostas do delegado foram não para as três seguintes perguntas: se sabia dizer se “Zezinho”, se referindo a José Moreira Freire, foi até a casa de Rios; se foi Marcelo quem entregou armamento para a execução; se foi o réu quem entregou o carro aos assassinos; e, por fim, se existe algum elemento que prove a participação de Rios no crime.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News. 

Nos siga no Google Notícias

Veja Também