ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUARTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Conselhos tutelares têm disparada de denúncias após caso de menina morta

Aumento é reflexo do medo da rede de proteção à criança e adolescente em repetir episódio trágico

Natália Olliver e Maristela Brunetto | 07/03/2023 17:50
Brinquedos disponíveis para crianças no 5º conselho tutelar de Campo Grande, região do Lagoa (Foto: Paulo Francis)
Brinquedos disponíveis para crianças no 5º conselho tutelar de Campo Grande, região do Lagoa (Foto: Paulo Francis)

Os conselhos tutelares de Campo Grande vivem uma explosão de denúncias após o caso da menina de dois anos que foi espancada e morta pelo padrasto, em janeiro deste ano, na Capital. A disparada é reflexo do medo da rede de proteção à criança (unidades de saúde, educação, assistência social) e da própria sociedade, em não permitir que mais tragédias assim se repitam.“Não tem mais tolerância, não tem mais uma gota d’ água, o copo transbordou”.

A fala é do conselheiro e presidente da Actems (Associação de Conselhos Tutelares de Mato Grosso do Sul), Adriano Vargas. Ao Campo Grande News, ele revelou que nunca houve tantas denúncias. Ele relembra que o maior envolvimento social surgiu com o caso da menina de 11 anos, que foi estuprada, agredida e assassinada na própria casa, em dezembro de 2022, no Bairro Nossa Senhora das Graças, região da Vila Nasser.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

“O caso da estrelinha foi o começo. Estou no conselho há 11 anos, agora tem acontecido em um curto espaço de tempo, antes ficávamos meses, anos sem uma tragédia tão grave. O segundo caso, em janeiro, acabou tendo um clamor social muito grande e questionamentos sobre as instituições e a rede de proteção à crianças e ao adolescente. O que sentimos é um volume maior e uma preocupação maior, tanto da sociedade quanto da rede”, disse.

Conforme Adriano, as denúncias que mais chegam ao conselho tutelar Sul, onde atua, são casos de possíveis violências sexuais e físicas e abandonos. “Às vezes os pais saem, deixam os filhos em casa e a pessoa pega a denúncia. Coisa que eu antes tinha um pouco mais de tolerância”.

Para o profissional existe um medo da rede de proteção com as responsabilidades caso algo aconteça, por isso o zelo maior.

“Tem que acontecer uma capacitação, principalmente da rede de proteção que tem que ter um crivo melhor de detecção. O que está acontecendo é que a rede também está com um certo receio, pra não correr o risco de acontecer o que aconteceu. Ao invés de ter a cautela na proteção da criança pensa: vou passar pra frente pra não assumir a responsabilidade”, finalizou.

Reflexos  - Em um dos conselhos mais movimentados, até choro de criança tem sido denunciado por vizinhos. De acordo com um profissional, que não quis ser identificado, em um dos casos, na checagem constatou-se que era uma criança com necessidades especiais, sem indícios de violência. Muitos relatos chegam por telefone, conforme um dos profissionais ouvidos pela reportagem. “É o medo de estar acontecendo algo e não fazer nada. Não tiro a razão,” disse um dos conselheiros ouvidos.

Dos serviços públicos de saúde e educação também chegam mais informes. Os profissionais estariam mais cautelosos e comunicando logo que percebem um caso suspeito. Há situações em que são encaminhados documentos ou mesmo o pedido de presença imediata de um conselheiro na unidade de saúde, quando uma criança chega com hematomas ou ferimentos e a explicação do pai ou mãe não parece convincente.

Avanços - No 5º Conselho tutelar, na região da Lagoa, a Conselheira Sandra Szablewiski, comemora o avanço que a sociedade está fazendo em denunciar possíveis crimes contra crianças e adolescentes, mas lamentou que a ação tardia tenha acontecido após um episódio tão chocante quanto o da criança de 2 anos.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade


“Realmente aumentou o número. Acho isso importante porque as pessoas podem estar protegendo outras vítimas. Pra nós, as pessoas estarem denunciando mais, apesar de nem todos serem verídicos, é bom, porque muitas vezes os casos passam despercebidos. Em 2015 houve um caso tão terrível quanto em que não houve essa mudança. Acho importante. Eu nunca vi um vereador tomar partido e fazer uma audiência pública por casos assim”.

Sandra considera que o caso da menina foi um alerta a todos. “O que mais recebemos é abandono e abuso sexual, eles são recorrentes depois do caso, depois que veio à tona a situação. Isso foi bom também, foi uma espécie de alerta à rede de proteção à criança. De toda sociedade, infelizmente por uma situação tão doida”, finalizou.

O Estatuto da Criança e do Adolescente, lei aprovada em 1990, já apontava que a proteção integral era tarefa dos agentes públicos e também da sociedade. Outras legislações vieram depois, como a lei sobre o depoimento especial e, no ano passado, depois de um episódio também trágico, a Lei Henry Borel, reforçam a importância da atuação diligente e apontam medidas adequadas para a proteção dos menores.

Nos siga no Google Notícias