ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  25    CAMPO GRANDE 33º

Capital

Coronel que fez prisão ilegal, já fez "brincadeira" com sargento da Cavalaria

Áudio obtido com exclusividade revela que comandante reconhecia exageros e pediu desculpas a capitão

Por Gabriela Couto | 29/07/2021 11:34
Capitão Joseph (foto) alertou o tenente-coronel Neto sobre brincadeiras impróprias no ambiente de trabalho (Foto Arquivo Pessoal)
Capitão Joseph (foto) alertou o tenente-coronel Neto sobre brincadeiras impróprias no ambiente de trabalho (Foto Arquivo Pessoal)

Foram entregues na manhã desta quinta-feira (29), na Corregedoria da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul), áudios de diálogo entre o tenente-coronel Antônio José Pereira Neto e o capitão Felipe dos Santos Joseph, que ficaram conhecidos na Capital após episódio de prisão ilegal dentro da instituição por homofobia no começo do mês.

Conforme a denúncia, que está sendo investigada pelo MPM (Ministério Público Militar), o caso ocorreu em 21 de agosto de 2020, um dia após o tenente-coronel Neto ter imitado capitão Joseph de forma pejorativa e com trejeitos na DRSP (Diretoria de Recrutamento, Seleção e Promoção) do Comando Geral da PMMS.

No local, estavam militares que também eram subordinados do capitão. Depois de ter conhecimento do fato, Josehp, que é um policial assumidamente gay dentro da corporação, teve uma conversa com o tenente-coronel pedindo para que não fizesse mais o tipo de brincadeira.

No áudio obtido com exclusividade pelo Campo Grande News, o tenente-coronel confirma que exagerou e pede desculpas. "Realmente, eu exagero na brincadeira, mas isso serve para me cuidar muito mais. Me desculpa, jamais quis  te magoar. Que bom que me procurou e me falou, se não falasse eu ia brincar de novo", afirmou Neto.

Ele ainda revelou que cometeu o erro outras vezes dentro da PMMS. "O certo é evitar brincadeira. Às vezes, a gente brinca para o ambiente ficar mais leve, mas depende, pode se tornar ofensiva. Lá na cavalaria, eu fiz uma brincadeira com um sargento que era da minha turma", contou.

Hoje, o tenente-coronel é o atual comandante da Cavalaria. Ele foi promovido no dia 12 de julho, após o episódio da prisão considerada pela Justiça ilegal. Atualmente, ele está de férias. Já o capitão Joseph foi transferido para o 10ºBPM (Batalhão de Polícia Militar), que segundo a defesa, é o pior batalhão da Capital.

Agora o advogado do capitão, Anderson Yamada, quer comprovar que o tenente-coronel Neto sempre teve um comportamento antiprofissional. "Ele mesmo admite que já teve problemas nas unidades. Está provado que ele tem um comportamento inadequado no ambiente do trabalho. A defesa reitera o estado de perplexidade com o comando da instituição que premia o opressor e pune o que teve coragem de denunciar práticas criminosas."

A defesa vai além, destacando que a atitude do Comando Geral da PMMS desestimula outras possíveis denúncias do tipo praticadas dentro da corporação. "São fatos gravíssimos e a PMMS demostra inabilidade e protecionismo com o tenente-coronel Neto sobre os quais pesam graves acusações. Isso é um erro histórico."

Procurado pela reportagem, o tenente-coronel Neto afirmou que queria evitar polêmica sobre o assunto. "A brincadeira que eu fiz com o rapaz não foi sobre orientação sexual. Ninguém sabia na Diretoria da opção sexual dele. Ele era casado com uma mulher e só sabíamos que estava divorciado. A brincadeira que eu teria feito era sobre outro fato, questão de serviço", enfatizou.

Segundo o tenente-coronel Neto, depois do episódio ocorrido no ano passado, em que foi gravado, nunca mais houve brincadeiras semelhantes. "Tratava ele com o maior respeito e consideração que tive. O áudio da polêmica sobre policial raiz e nutella não era para ele."

Prisão ilegal - Áudio pejorativo sobre homossexuais compartilhado no grupo da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul,  provocou denúncia de homofobia ao Ministério Público Militar, apresentada pelo capitão Joseph. O teor da postagem não foi divulgado, apenas citaram se tratar de uma piada sobre as buscas por Lázaro Barbosa, com imagem de dois policiais penais do Distrito Federal.

Gay, dentro de uma corporação conservadora, ele sentiu-se ofendido, declarou sua opinião contrária, saiu do grupo e levou o caso ao MPM. No dia seguinte, 8 de julho, Felipe foi chamado para prestar declarações, supostamente, sobre outros motivos, considerou se tratar de coação, negou as respostas e acabou preso por desrespeitar um superior.

O juiz Albino Coimbra Neto considerou a prisão indevida e não homologou o auto de prisão em flagrante. Ele entendeu que não houve desobediência, porque o assunto não tinha relação com o serviço militar.

“Deve obediência o policial militar a assuntos de seu ofício militar, unicamente. Por isso, preenchidos os requisitos legais, deixo de homologar o auto de prisão em flagrante delito e determino o relaxamento da prisão”, escreveu o juiz.

***Matéria atualizada às 12h45 para acréscimo de informações.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário