ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 23º

Capital

“Dois covardes”, afirma pai de garotinha assassinada sobre silêncio de réus

Sem saber o que o Gaeco achará em celular que foi para perícia, defesas orientaram que réus não falassem

Por Anahi Zurutuza e Ana Beatriz Rodrigues | 28/09/2023 19:42
Da direita para a esquerda, Jean Ocampo e o marido, Igor de Andrade (Foto: Juliano Almeida)
Da direita para a esquerda, Jean Ocampo e o marido, Igor de Andrade (Foto: Juliano Almeida)

Embora a opção por não responder perguntas em juízo tenha sido estratégia das defesas dos réus, para o técnico de enfermagem Jean Ocampo, pai de garotinha de 2 anos que morreu com sinais de espancamento em janeiro deste ano na Capital, o silêncio do casal acusado de assassinato foi demonstração de covardia. “São dois covardes. Mataram e não tiveram peito de assumir o que fizeram com ela”.

Ao chegar ao Fórum de Campo Grande para encarar pela segunda vez em oito meses Christian Campoçano Leitheim, 26, padrasto acusado de espancar a enteada até a morte, e a mãe da menina, Stephanie de Jesus da Silva, 24, que também responde por homicídio, Jean Ocampo disse que esperava ouvir confissão, o que não aconteceu.

“Se eles tivessem um pingo, um pingo de vergonha na cara e honestidade, eles falariam. Eles assumiriam. Eles foram capazes de fazer, mas eles não foram capazes de bater no peito e assumir que foram eles. Porque era uma criança, uma criança de 2 anos e 7 meses, que não tinha condições de se defender”, afirmou ao deixar a audiência, no fim da tarde desta quinta-feira (28).

Para o pai da vítima, apesar de nenhum dos dois ser réu confesso, não há dúvida que a filha foi vítima de homicídio. “Contra fatos não há argumentos. E o fato é que a minha filha morreu. E morreu na casa deles. Eles não querem falar, mas tem as provas. Então, eu espero que a justiça seja feita”.

Christian Campoçano Leitheim chegou a ficar de frente com juiz, mas não quis responder perguntas (Foto: Juliano Almeida)
Christian Campoçano Leitheim chegou a ficar de frente com juiz, mas não quis responder perguntas (Foto: Juliano Almeida)

Sem interrogatórios – Christian, que nunca deu sua versão sobre o que aconteceu no 26º dia de 2023, tinha a chance que “quebrar o silêncio” na tarde desta quinta-feira (28), mas preferiu não se comprometer. “Por orientação da minha defesa, eu vou ficar em silêncio”, disse.

Em solo policial, Stephanie afirmou que o marido batia na filha com o intuito de corrigi-la, negou que tenha testemunhado sessões de espancamento e jurou que levou a filha com vida para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) do Bairro Coronel Antonino, em janeiro deste ano. Mas, nesta tarde, também decidiu exercer o direito de não dizer nada que possa ser usado contra ela em julgamento. “Eu queria muito, muito mesmo, responder as perguntas para esclarecer a minha verdade, mas por recomendação da minha defesa, eu vou ficar em silêncio”.

Advogados recomendaram que os dois não falassem em juízo depois que o celular de Christian foi enviado ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) para perícia. A defesa do réu já havia pedido para que o interrogatório fosse adiado até que pudesse ter acesso ao conteúdo extraído dos aparelhos, mas o juiz Aluízio Pereira dos Santos negou.

Nesta quinta-feira, os advogados Pablo Gusmão, Willer Almeida, Renato Cavalcante e Arianne Siqueira voltaram a pedir o adiamento da audiência até que a perícia no celular fosse concluída e, novamente, o juiz negou, afirmando que o assunto já havia sido tratado no processo. Por isso, a defesa recomendou que Christian não falasse.

Christian Campoçano Leitheim, 26, e Stephanie de Jesus da Silva, 24, réus pela morte de criança de 2 anos durante audiência (Foto: Juliano Almeida)
Christian Campoçano Leitheim, 26, e Stephanie de Jesus da Silva, 24, réus pela morte de criança de 2 anos durante audiência (Foto: Juliano Almeida)

Os representantes de Stephanie, Camila Garcia de Rezende, Katiussa do Prado Jara e Pablo Chaves, fizeram o mesmo.

A última testemunha de defesa foi ouvida. O homem, conhecido de Christian, disse que conviveu com o casal algumas vezes e ressaltou o quanto a vítima tinha semblante de tristeza.

As acusações – Na tarde do dia 26 de janeiro deste ano, a menina deu entrada na UPA do Coronel Antonino, no norte de Campo Grande, já sem vida. Inicialmente, a mãe, que foi até lá sozinha com a garota nos braços, sustentou versão de que ela havia passado mal, mas investigação médica encontrou lesões pelo corpo, além de constatar que a morte havia ocorrido cerca de quatro horas antes da chegada ao local.

O atestado de óbito apontou que a menininha morreu por sofrer trauma raquimedular na coluna cervical (nuca) e hemotórax bilateral (hemorragia e acúmulo de sangue entre os pulmões e a parede torácica). Exame necroscópico também mostrou que a criança sofria agressões há algum tempo e tinha ruptura cicatrizada do hímen – sinal de que sofreu violência sexual.

O padrasto responde pelo homicídio e pelo estupro. Já a mãe da menina, pelo assassinato, como o Christian, mesmo que não tenha agredido a filha, mas porque, no entendimento do Ministério Público, ela se omitiu do dever de cuidar. No início deste mês, ambos foram denunciados pelo crime de tortura.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias