A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

01/03/2013 20:12

Dos veículos devolvidos pela Bolívia, mais de 30% irão para seguradoras

Nyelder Rodrigues e Helton Verão
Ontem, os 10 veículos do primeiro lote cruzaram a fronteira entre Brasil e Bolívia, em Corumbá, em ato simbólico de devolução (Foto: Victor Viégas/DDP)Ontem, os 10 veículos do primeiro lote cruzaram a fronteira entre Brasil e Bolívia, em Corumbá, em ato simbólico de devolução (Foto: Victor Viégas/DDP)

Chegou nesta noite de sexta-feira (1) à Campo Grande o primeiro lote de veículos devolvidos pela Bolívia. São 10 automóveis, trazidos em uma carreta cegonha e que ficarão no pátio da Defurv (Delegacia Especializada em Furtos de Roubos de Veículos).

Preliminarmente, foi apurado que entre 30% e 35% dos automóveis eram segurados, e os proprietários já foram reembolsados. Nesses casos, os veículos, ao invés de devolvidos aos donos, serão encaminhados as seguradoras.

Ao todo, 493 veículos que foram roubados ou furtados no Brasil e circulavam na Bolívia irregularmente foram apreendidos pela polícia boliviana e devolvidos. A estimativa do governo brasileiro é a de que ainda haja 4 mil veículos brasileiros receptados no país vizinho.

O trabalho de devolução foi realizado em uma cooperação internacional, que além da polícia, contou com o apoio da Fenaseg (Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização), que cedeu as carretas para o transporte das apreensões.

De acordo com a delegada titular da Defurv, Maria de Lourdes Cano, a partir de segunda-feira (4) outras quatro carretas cegonha vão se unir ao veículo que já está em atividade para repatriar os automóveis. A expectativa é que tudo termine em três semanas, sendo trazidos para Campo Grande 100 veículos por dia, em média.

Entre carros, camionetes e motocicletas, a delegada acredita que mais de 200 deles sejam do Mato Grosso do Sul, enquanto outros sejam de outros estados, como São Paulo, Goiás e Rondônia.

Para identificar a origem deles, como a maioria das placas foram adulteradas, será feita perícia, verificando a numeração de chassi, motor e câmbio. Caso também tenha havido adulteração dessas numerações, terá que ser feita uma investigação mais ampla.

Junto aos veículos, a polícia boliviana também repassou alguns dados sobre os mesmos. Entretanto, Maria de Lourdes afirma que eles precisam ser revisados, já que pode conter erros nas numerações, digitação, entre outros.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions