A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

28/11/2011 20:20

Dupla rende família, rouba joias e foge após tiros de policial aposentado

Nadyenka Castro

“A gente quer é viver”, diz vendedor de joias que foi agredido e assaltado por volta das 12 horas. Ele, a esposa e o casal de filhos ficaram aproximadamente 10 minutos sob a mira de armas de fogo

Com o boletim de ocorrência nas mãos, Vanderley e a esposa, que pediram para não serem fotografados, contam os momentos de terror que viveram. (Foto: João Garrigó)Com o boletim de ocorrência nas mãos, Vanderley e a esposa, que pediram para não serem fotografados, contam os momentos de terror que viveram. (Foto: João Garrigó)

“A gente quer é viver”, desabafa o vendedor de joias Vanderley Brito, 38 anos, que nesta segunda-feira foi, junto com a esposa e os filhos, refém da violência pela terceira vez em cinco anos, em Campo Grande. “Com isso, a gente já sabe que pode acontecer de novo”.

Ele chegava na casa onde mora com a família, no bairro Coophamat, por volta das 12 horas, quando foi rendido por dois bandidos em uma Honda Titan de cor preta. Pensando somente em preservar a vida, o vendedor não reagiu. “Vai fazer o que, eles estavam com armas nas mãos”.

Um dos assaltantes estava armado com pistola e foi até a janela da caminhonete Frontier conduzida por Wanderley e o obrigou a abrir a porta. “Ele então me deu chute, me chamou de vangabudo”, conta indignado o homem que teve R$ 70 mil em joias roubados.

Ao perceber a movimentação, a esposa de Vanderley, Zélia Barbosa, 37 anos, tentou evitar que os filhos fossem rendidos, mas, os bandidos foram mais rápidos. “Eu estava estudando. Minha mãe falou para eu me trancar no quarto e ligar para a Polícia, mas eu não achava o celular e fui procurar na sala. O assaltante então falou que era assalto e me fechou no quarto”, fala a estudante de engenharia civil de 18 anos.

Enquanto isso, o irmão dela de 11 anos, o pai e a mãe, estavam sob a mira de armas de fogo. “Tudo aconteceu da portão para a varanda”, lembra Zélia.

Enquanto a família era mantida refém os bandidos entraram na caminhonete e pegaram as peças de joias, celulares e documentos pessoais das vítimas. “Eles já entraram pedindo o mostruário”, diz Vanderley, que acredita que os ladrões sabiam das peças e da rotina.

Tiros - Vizinho da família, o subtenente Lauro da reserva da PM (Polícia Militar), chegava em casa quando percebeu a movimentação estranha na residência ao lado. “Um deles estava virando a chave da caminhonete já”, lembra o militar que gritou e em seguida tirou a arma de fogo da cintura.

Os marginais então saíram da casa e subiram na moto. O policial atirou. “Foram de oito a 10 tiros”, declara Vanderley. Para Lauro, a Frontier também seria alvo dos bandidos. “Eles iam levar a caminhonete também se eu não tivesse visto”, afirma o militar aposentado.

Em um muro, marcas dos tiros. (Foto: João Garrigó)Em um muro, marcas dos tiros. (Foto: João Garrigó)

Os assaltantes não revidaram, mas, o passageiro chegou a pegar na arma que estava na cintura. Porém, como ele e o comparsa por pouco não caíram do veículo, não conseguiu revidar.

As marcas dos disparos ficaram no muro de um terreno da rua e também na parede da casa de uma estudante de 19 anos. Ela estava no imóvel com o pai, a mãe e a irmã de dois anos quando houve os tiros. “Minha irmã estava na sala”, conta a jovem.

Maria Isabel dos Santos, 59 anos, e o marido também ouviram os tiros. “A gente estava deitado no quarto quando ouvimos. Pensamos até que era moto”, declara.

Revolta - Esta foi a quarta vez que a família do trabalhador é alvo de bandidos. “Nunca recuperaram um brinco”, revolta-se Vanderley, que continua. “Esta é a indignação de um cidadão de bem que é assaltado várias vezes. A Polícia trabalha e a Justiça solta”.

Em 2006, ele teve R$ 120 mil em peças roubados. Bandidos renderam sete pessoas e fizeram o assalto. Em 2008, entraram na atual casa deles e furtaram diversos eletrodomésticos. No ano passado houve tentativa de roubo e nesta segunda-feira, o roubo. “Parcelei em 36 vezes para pagar as peças que roubaram de mim. Agora já vou ter que parcelar de novo”, fala Vanderley.

“Morro de medo todo dia quando chego da faculdade”, revela a universitária que foi rendida em 2006 e também hoje.

Os marginais - Os assaltantes estavam com armas de fogo. Um com uma pistola e outro com um revólver e fugiram em direção à avenida Marechal Deodoro.

As vítimas anotaram a placa da moto e dizem que reconhecem os autores se ficarem frente à frente com eles. Vanderley suspeitou que um bandido preso nesta tarde pudesse ser o mesmo que o assaltou, mas, no reconhecimento, não o identificou como sendo o autor do roubo.

O branco na parede de cor marrom da sala de uma casa vizinha à da família rendida indica que ali 'pegou' um tiro. (Foto: João Garrigó)O branco na parede de cor marrom da sala de uma casa vizinha à da família rendida indica que ali 'pegou' um tiro. (Foto: João Garrigó)
Tiro no muro. (Foto: João Garrigó)Tiro no muro. (Foto: João Garrigó)
Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...
Problema rotineiro, chuva causa alagamentos no bairro Cidade Morena
A chuva que atingiu Campo Grande no fim da tarde deste domingo (17) causou vários problemas à população, desde alagamentos a problemas estruturais em...


Essa é minha familia!!! Eu tenho 28 anos vivo desde faz 5 anos fora do Brasil, porque nao aguentava mais assaltos e sair do trabalho e da faculdade sem saber se ia viver até chegar em casa... E juro q toda vez que penso em visitar minha familia me lembro do panico que tinha pelo simples fato de viver... Isso nao é vida. Sinto na alma por minha irma, meus sobrinhos... e toda minha familia.
 
Célia Barbosa em 02/12/2011 11:41:35
É MOLE SER ASSALTADO E AINDA SER CHAMADO DE VAGABUNDO PELOS BANDIDOS ÉO FIM DO MUNDO!!!!
 
nilda lima em 01/12/2011 04:32:07
entao!!e se o policial tivese matado o ladrao como a imprensa e os direitos humanos ia reagir?como sempre reagem quando um policial reage a um assalto ou qualquer coisa que esses marginais fazem defendendo os bandidos ?
poque sempre acontece isso policial de bem e cidadao nao tem valor bandido tem direitos direitos dos bandidos vcs querem dizer nao é isso?!!! me poupem por favor!!!!!!
 
audete montovani em 29/11/2011 12:36:17
A dica é mudar a rotina da familia orientar bem os familiares a não dizer do que vc trabalha, nunca dizer que voce trabalha com valores, trocar de carro se possível e eté de casa já que é a quarta vez que é roubado.
 
Paulo Gomes - segurança em 29/11/2011 12:15:00
è complicado vc trabalha e ainda é chamado de vagabundo por ladrões, a minha casa que fica na rua paralela também foi assaltada no msm dia por sorte não tinha ninguem em casa mas levaram os aparelhos eletronicos e bebidas deixam um prejuizo afim trabalhei e comprei td com sacrificio. O pior nada será feito.
 
Luis Messias em 29/11/2011 12:08:55
Ele deve mudar a rotina da familia pelo que vejo isso se trata de um crime encomendado, ou fita dada. Alguem que sabe muito bem doque ele trabalha
a hora que ele sai a hora que chega, sabe de suas compras e até de valores.
Esse tipo de crime já é comum em Campo Grande, Geralmente alguem que trabalhou na casa, ou até vizinhos que morarão de aluguel na mesma rua.
 
Paulo gomes ->Segurança em 29/11/2011 12:03:16
A questão não é repudiar o trabalho da polícia, e sim da lei,porque após uma série de quatro assaltos,não conseguir recuperar nada e ficar por isso mesmo,qualquer pessoa de revoltaria!
 
Sinara Brito em 29/11/2011 10:40:49
Pessoas que repudiam o trabalho das policias é porque deve e esta do outro lado da lei,mas a policia nao destingue o dia que a sua familia estiver nessa situação policiais irao intervir com certeza.
 
josé Fabio em 29/11/2011 08:56:54
Parabens Tenente Lauro, pena k vc nao acertou esse vagabundos, essa Familia falou a verdade a Policia prende e a justiça solta, e o nosso Brasil.
 
humberto jorge em 28/11/2011 10:12:09
Infelizmente, seria bom que nenhum policial ativo de folga ou aposentado cumprisse o juramento que faz na formatura. Principalmente se quem for vítima for de uma classe que repudia e contraria os serviços policiais.
 
Ezio Jose em 28/11/2011 09:45:00
Infelizmente esses marginais não foram, ao menos por enquanto, abatidos. Mas sera questão de dias para nossos parceiros da Polícia Judiciária (Polícia Civil), consigam pega-los, quando então haverão de pagar pelo crime cometido. Pelo sim, pelo não, graças a Deus não houve feridos. Parabéns ao ST Lauro, que mesmo na reserva mantem seu compromisso de bem servir a sociedade.
 
Fernando Silva em 28/11/2011 09:19:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions