ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 24º

Capital

“Eles vão reclamar muito, para aparecer”, diz Trad sobre Flexpark

Wendell Reis | 11/02/2012 12:28

Decisão sobre renovação de concessão do estacionamento vai sair depois do Carnaval

Prefeito vai decidir se mantém atual licitação ou abre nova(Foto: Pedro Peralta)
Prefeito vai decidir se mantém atual licitação ou abre nova(Foto: Pedro Peralta)

O prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), foi questionado na manhã deste sábado (11) sobre a possibilidade de uma licitação para os estacionamentos em Campo Grande e reclamações sobre o serviço, que não param de aumentar. Como resposta, o prefeito disse que solicitou um prospecto para a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) e criticou os vereadores que utilizaram a tribuna da Câmara para reclamar do serviço.

“Já solicitei um prospecto para a Agetran. Esta é uma época que eles vão reclamar muito, para aparecer, em função da política que está chegando”.

Nesta semana a vereadora Graziele Machado (PR) demonstrou preocupação com a destinação dos recursos dos estacionamentos. Ela questionou que eles tinham a finalidade de serem transferidos para a secretaria de Assistência Social, mas a Câmara nunca recebeu nenhuma planilha com o encaminhamento dos recursos.

Estudo técnico - O diretor-presidente da Agetran, Rudel Trindade, afirma que há dois caminhos para a concessão dos serviços, que vencem em março: a Prefeitura tem o direito de renovar o contrato ou de abrir uma nova licitação, sem impedimento jurídico para nenhuma das duas decisões.

Rudel informa que o prefeito solicitou um estudo técnico para ver o que está bom e o que precisa ser readequado para poder decidir, depois do Carnaval, o que fazer. Rudel já fez três reuniões com técnicos da Agetran, sendo uma delas com a presença de representantes da Flexpark

Equipes da Agetran estão percorrendo as ruas da cidade para saber se os serviços estão funcionando adequadamente, se há informações sobre postos de venda e se realmente eles funcionam. Segundo Rudel, a principal reclamação era com o fechamento dos marcadores, às 18 horas, onde o consumidor não encerrava a tarifa e perdia todos seus créditos, o que ele afirma já ter sido resolvido.

Quanto aos valores cobrados, Rudel relata que a Capital cobra valores bem abaixo das outras cidades do País e tem a vantagem de cobrar apenas o tempo que o consumidor utilizou o serviço, diferente de outros locais como São Paulo, onde o serviço é cobrado com tempo mínimo.

O presidente da Comissão dos Direitos do Consumidor da Câmara Municipal, vereador Athayde Nery (PPS), informou que a Casa já pediu um relatório sobre os serviços e caso não seja atendida, deve pedir auxílio do MPE (Ministério Público Estadual) e até do Procon. Segundo ele, entre as reclamações apresentadas aos vereadores estão a falta de segurança, já que pagam o serviço e não têm nenhuma garantia de que serão preservados, bem como o custo do estacionamento.

A vereadora Graziele Machado confirmou nesta manhã que a Câmara deve fazer um encaminhamento ao Ministério Público. “O Ministério Público não precisa aparecer. Quem sabe terá uma resposta. Não é uma crítica ao prefeito, mas a empresa. A própria Prefeitura está sendo lesada”. A vereadora ressalta ainda que a empresa está descumprindo a lei 2.228, que proíbe a cobrança em áreas residenciais.

Nos siga no Google Notícias