A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

26/09/2012 06:47

Em reunião, Vivo informa que vai retirar torre próxima a presídio

Francisco Júnior
Reunião aconteceu na tarde de ontem entre representantes do governo e da operadora. (Foto: Edemir Rodrigues)Reunião aconteceu na tarde de ontem entre representantes do governo e da operadora. (Foto: Edemir Rodrigues)

A operadora Vivo confirmou ontem (25) a retirada da torre próxima ao presídio de Segurança Máxima, no Jardim Noroeste, em Campo Grande. Representantes da empresa debateram o assunto em reunião com o secretário de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini e com o diretor-presidente da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), Deusdete Souza de Oliveira.

A operadora informou que para a retirada da estrutura será necessário um período para transferência do equipamento com a fiança de que a população possa continuar utilizando os serviços da operadora sem transtornos e garantindo o sinal a quem reside no entorno do presídio.

A torre está alojada em um terreno público, sem inconformidade com aspectos legais para emissão de sinais.

De acordo com Deusdete Souza de Oliveira Filho, as negociações com as operadoras Vivo, Claro e OI, que utilizam o sinal da torre em Campo Grande, inclusive junto a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) que é o órgão regulador para funcionamento dos equipamentos que fornecem sinal aos celulares, tiveram prosseguimento.

Deusdete explica que as medidas foram adotadas para fazer com que essas operadoras tragam segurança para complexo penitenciário e permitam que um maior número de concentração de pessoas tenha um sombreamento (mascarar) do sinal ofertado.

A operadora informou que para a retirada da estrutura será necessário um período para transferência do equipamento. (Foto: Minamar Júnior)A operadora informou que para a retirada da estrutura será necessário um período para transferência do equipamento. (Foto: Minamar Júnior)

“A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano chegou a notificar as operadoras e cassou a licença ambiental. Com isso a Vivo, detentora da torre, teria um prazo de 30 dias para retirada do equipamento, e posteriormente medidas pertinentes ao bloqueio do sinal no ambiente penitenciário fossem adotadas. Com a proximidade do fim do prazo de notificação a operadora Vivo nos procurou para apresentar uma contra-argumentação e colocar-se à disposição para solução do problema”, explicou o diretor da Agepen.

Os estudos mostram que a torre emite sinal potente e os equipamentos existentes no mercado para dificultar a comunicação, são apresentados de duas formas, um que fará uma “briga de sinais”, que nenhum outro equipamento existente no mercado pode fazer frente a ele e outro que tem valores muito altos, que atualmente tem custo superior a R$ 4 milhões, e que apenas um fabricante faz o fornecimento. Este equipamento tem a função de absorver o sinal e não dissipá-lo.

O secretário de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, lembrou ainda que o Estado tem realizado diversas ações para impedir que celulares sejam utilizados dentro dos presídios como forma de coibir a criminalidade. “Mesmo com as ações os aparelhos acabam chegando até os detentos através das visitas e os celulares são utilizados nos presídios, já que os sinais enviados pelas operadoras chegam até eles. Acabam propiciando o cometimento de vários crimes como homicídios, sequestros e roubos. A responsabilidade destas operadoras também é de impedir que o sinal entre nos presídios”, pontuou Jacini.



Nessa discussão de torre e presidio, esquecem que em torno do presidio tem a população a qual migrou para casa da Emha, e ai como fica, sinceramente tem que tirar é o presidio,podem não ter celular, mas tem outras formas deles mandarem aqui fora. Só nossos governantes que não ve isso, segurança maxima aqui não é, o presos só não fogem porque tem comida não precisa trabalhar.
 
Rafaela Oliveira em 26/09/2012 12:28:37
È um absurdo. Havia licença que foi cassada . A Torre está lá desde 1995!
O governo diz não conserguir que o celular não entre no presídio!! Incompetencia? Vontade política em resolver? Uma pergunta que não quer calar: Os celurares precisam ser carrregados , os presos tem acesso livre a energia eletrica? Ninguem vê?

 
luiz enne em 26/09/2012 10:54:44
Se existem leis em nosso país, elas devem ser cumpridas.Existe a lei federal onde é proibido a entrada de celulares nos presídios, mas ela não é cumprida por incopetência de pessoas ligadas a esses setores.A retirada da torre ajudaria sim , com certeza, não sou hipócrita, mas isso é assinar que as leis existem mas não são cumpridas..A lei existe basta cumpri-las
 
Rafael Kenny em 26/09/2012 10:44:20
Entendo que a Sejusp não tem como evitar a entrada de celulares em um presidio, mas não entendo eles mandar retirar uma torre de sinal, já que as operadores tem a obrigação de garantir cobertura na municipalidade. A solução continua sendo instalar bloqueadores de sinal nos presídios. Enquanto a Sejusp não faz isso, continua devendo. Só se bloqueador não funciona, poderia pedir retirar a torre.
 
Marcos da Silva em 26/09/2012 10:05:14
E agora tira logo esse trambolho daí e corta o sinal pra resolver a problemática.
 
Anderson Augusto em 26/09/2012 08:47:21
Quando da instalação da torre no local, houve algum impedimento legal para isso?
As licenças e autorizações no momento da instalação não estavam em dia?
A administração do presidio, adotou o cuidado de no momento de licitar a proteção o pedido de um previo estudo do ambiente a ser protegido?
Alguem foi negligente, ao ponto de chegar onde estamos. E agora José?
 
Marcos Guimaraes em 26/09/2012 07:48:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions