A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

02/11/2013 12:34

Família paga táxi e roda 160km em busca de um asilo para idosa

Aliny Mary Dias
Maria Sueli espera solução para ter um lar provisório (Foto: Marcos Ermínio) Maria Sueli espera solução para ter um lar provisório (Foto: Marcos Ermínio)

A falta de informação e o drama vivido por quem chega à terceira idade com a saúde fragilizada tiveram um novo capítulo na manhã deste sábado (1º) em Campo Grande. Tudo porque uma família de Maracaju viajou mais de 160 quilômetros em um táxi em busca de uma vaga em algum asilo ou casa de repouso para a idosa Maria Sueli, 72 anos.

O casal Del Rosário Gomes, 35, e Maria ângela de Oliveira, 38, vive em uma fazenda localizada há 40 quilômetros de Maracaju. Além da filha de 3 anos, a mãe de Maria, de 72 anos, também vive com o casal na zona rural da cidade.

Segundo os relatos do casal, a rotina da família sempre foi como a de outras que vivem em chácaras e fazendas do interior do Estado: simples. Tudo mudou há 20 dias quando a idosa sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e parte dos movimentos do corpo ficou comprometida.

Maria Sueli ficou dependente da filha e do genro o dia todo. Para se alimentar, tomar banho e ir ao banheiro, por exemplo, a idosa precisa estar acompanhada. Diante da situação, o casal que trabalha na cozinha de uma fazenda da cidade não teve outra alternativa a não ser encontrar um lar temporário até que Maria Sueli recupere parte dos movimentos.

“Não tem ninguém abandonando a minha sogra, nós estamos sofrendo com isso. Fizemos muitas dívidas no hospital e agora precisamos trabalhar. Queremos encontrar um lugar para ela ficar até que ela volte a ter os movimentos”, explica o genro Del Rosário.

Família se revolta com descaso da Prefeitura de Maracaju (Foto: Marcos Ermínio)Família se revolta com descaso da Prefeitura de Maracaju (Foto: Marcos Ermínio)

Há uma semana, o casal decidiu que levaria Maria para um lar provisório. A primeira alternativa foi um asilo público de Maracaju, mas a informação repassada dava conta de que a vaga não apareceria tão cedo. “No asilo nos falaram que não tinha vaga e não tinha saída”, conta a filha Maria Ângela.

Desesperada, a família procurou uma assistente social de Maracaju, mas o despreparo da servidora foi um dos fatores que agravou a situação. “Ela só falou pra gente que não tinha onde colocar e falou que a gente teria que se virar”, conta Del.

Com dívidas e sem ter como parar de trabalhar para cuidar da idosa, a família pegou R$ 210 emprestados do dono da fazenda e veio para Campo Grande em um táxi. Com dores no corpo, Maria Sueli passou mal durante todo o trajeto.

O casal chegou em Campo Grande na noite de ontem (1º), dormiu na casa de um parente e começou a saga em busca de um asilo na manhã de hoje (2). No asilo São João Bosco, a informação repassada foi de que qualquer entrada de idoso só aconteceria na segunda-feira.

Com a hora marcada para voltar para Maracaju, o casal decidiu bater de porta em porta nas casas de repouso da capital. O único detalhe é que a família de Maracaju não fazia ideia do valor cobrado pelo serviço. “Nós só temos a aposentadoria dela para custear, chegamos aqui e encontramos lugares por R$ 2, R$ 3 e até R$ 5 mil. Estamos desesperados, não temos condições de pagar isso”, desabafa o genro.

Rosângela é proprietária de casa de repouso e decidiu ajudar família (Foto: Marcos Ermínio)Rosângela é proprietária de casa de repouso e decidiu ajudar família (Foto: Marcos Ermínio)

A saga da família chegou até o lar comandado por Rosângela Calado, 33, que se revoltou com o descaso por parte da Prefeitura de Maracaju e decidiu dar um fim à peregrinação do casal.

Em contato com a Secretaria de Assistência Social da Capital, Thaís Helena, e depois com o Secretário de Governo de Maracaju, Frederico Felini, a situação, aparentemente, parece que terá um desfecho positivo.

“O secretário de Maracaju me disse que desconhecia a situação que vai providenciar um carro para buscar a família. Eu vou ficar com eles aqui até que essa situação seja resolvida, já que eles precisam voltar amanhã para Maracaju”, explica.

Enquanto aguarda uma definição por parte da prefeitura da cidade, o casal se emociona ao relembrar do drama vivido há 20 dias. “Nós só queremos que ela fique bem. Queremos que ela fique curada e que volte para a casa”, desabafa Maria Ângela.

Homem foge de briga, se envolve em acidente e acaba agredido por moradores
Homem de 39 anos foi agredido por moradores após se envolver em acidente. Flávio Guimarães Fernandes foi confundido com ladrão e acabou agredido por ...
Sesau e SES recolhem quase 10 toneladas de lixo no Jardim Noroeste
A ação de recolhimento de lixo realizada em casas e terrenos baldios no Jardim Noroeste - bairro localizado na regiões leste de Campo Grande - somou ...
Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...


Meu pai sofreu um AVC em 2007, o diagnostico do médico era: não vai andar nunca mais.Nós (filhos) não aceitávamos esse diagnóstico e lutamos pela sua recuperação mesmo sem recurso, após seis meses ele deu alguns passos e saiu da cadeira de rodas. Hoje ele anda com bengala,tem sequelas, ainda faz fisioterapia, voltou a falar. Precisa de alguém ao seu lado 24 horas. Relatei essa história porque a principal causa da recuperação do meu pai era o carinho, amor, companheirismo, estímulo e muita fé em Deus. Ficar próximo dos familiares nesse momento é muito importante para o paciente.
 
angela maria em 04/11/2013 00:30:01
As pessoas não deveriam em hipótese alguma fazer julgamento precipitado, leiam a matéria é uma situação provisória.Não irei concordar se esta situação se tornar definitiva, é obrigação por Lei filhos cuidarem de seus pais, mas em caso de estarem possibilitados e neste caso vi que o casal trabalha numa fazenda e quem conhece sabe dos horários e não tendo quem cuide é um direito deles procurarem outras alternativas.
 
Marcia Leitte em 03/11/2013 14:15:41
minha mãe tbem passou por muitas dificuldades quando sofreu um avc,mas não precisamos deixa-la em um asilo ou casa de repouso .Nesta hora o que conta é o carinho da família e principalmente dos filhos. que DEUS a proteja e se recupere logo dona MARIA SUELI!!
 
maria lupato em 03/11/2013 07:49:21
nossa tanto transtorno pra deixar a coitada da mae no asilo.jamais eu faria isso,nao importa o que teria de passar,ou sera que esta mae nunca passou por dificuldades pra ter seus filhos?como diz o ditado uma mae cri a 10 filhos,e os 10 juntos nao dao conta de uma mae.
 
sandra cristina ce em 03/11/2013 00:17:00
Quando nós mães temos os nossos filhos, fazemos de um tudo para não deixa-los abandonados ou com fome, sempre estamos ali presente até que cresçam ou mais ainda, quando nós mães mais precisamos se um filho eles nos viram as costas, nos colocam em asilos e se esquecem de existimos, e lamentável, triste. leiam o livro água para elefante que vcs vão entender, e um livro muito triste.
 
Tania soares em 02/11/2013 19:14:09
uma mãe cria 10 filhos mas 10 filhos não cuida de uma mãe........gente mãe é mãe...não importa se em cima de uma cama ou com saúde....
 
luiz carlos da silva em 02/11/2013 13:02:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions