ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Filipe viaja para os EUA quarta-feira para início de tratamento de doença rara

Por Marta Ferreira | 14/11/2011 17:08

Após marcar concessão do visto para fevereiro de 2012, Embaixada decidiu fazer procedimento de urgência

Menino trava luta contra doença rara. (Foto: Álbum de família)
Menino trava luta contra doença rara. (Foto: Álbum de família)

O menino Filipe, de 3 anos, está prestes a vencer uma etapa importante em busca do tratamento contra a histiose de Langer Hans, doença rara que se manifesta de forma parecida com o câncer. A Embaixada dos Estados Unidos marcou com regime de urgência, para quarta-feira, em Brasília, a concessão do visto de entrada no País, onde ele vai fazer consulta com a equipe responsável pela pesquisa de utilização do medicamento Clorafabine, originalmente usado para tratar leucemia, no combate à doença que Filipe tem.

O pai de Filipe, o professor de Educação Física Guilherme Wolff, informou que, concedido o visto, a família viaja na quarta à noite para Boston, onde vai ser feita a consulta.

Inicialmente, a Embaixada dos Estados Unidos havia marcado a audiência para conceder o visto para fevereiro do ano que vem. De posse de um comunicado dos médicos, sobre a urgência de Filipe em ser consultado, o procedimentno foi acelerado.

Filipe precisa ir aos Estados antes de usar as primeiras 10 doses do Clorafabine, que já estão em São Paulo. Elas foram compradas com uma doeção vinda do pecuarista Antônio Moraes, no valor de R$ 50 mil

Determinação da Justiça-A família também conseguiu decisão judicial determinando que o SUS (Sistema Único de Saúde) forneça as outras 20 doses que Filipe precisa. O prazo já venceu, mas o Ministério informou que o processo de importação é demorado e pode levar até 120 dias.

A decisão do juiz Odilon de Oliveira, dada num plantão previa prazo de 5 dias e estabelecia multa de R$ 100 mil. O Ministério recorreu, afirmando que o prazo é impossível de cumprir e o que valor da multa é muito alto.

A juíza Adriana Taricco decidiu, então, conceder mais 60 dias e reduzir o valor da multa. Ela também determinou ao Ministério que deposite o valor necessário para a compra das doses suficientes para o tratamento durante o período em que demorar a importação.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário