A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

06/01/2014 19:57

Fortes chuvas revelam deficiências e falta de pessoal da Defesa Civil

Zana Zaidan
Chuva transformou Júlio de Castilhos em rio; Defesa Civil esteve no local para prestar assistência a moradores (Foto: Arquivo)Chuva transformou Júlio de Castilhos em rio; Defesa Civil esteve no local para prestar assistência a moradores (Foto: Arquivo)

A equipe da Defesa Civil de Campo Grande precisou “se desdobrar” para prestar assistência à população em situação de risco durante o temporal do último sábado (4). Dois homens e duas viaturas estavam de plantão para colocar em prática ações de emergência, enquanto sete bairros estavam em estado de alerta, com casas e ruas alagadas, carros arrastados e árvores desabando, conforme levantamento conjunto do órgão com o Corpo de Bombeiros.

O chefe da Defesa Civil do município, major Luidson Noleto, credita a equipe reduzida à falta de voluntários disponíveis na hora da chuva. “Normalmente, acionamos nossa equipe voluntária, mas estamos no período das férias, muita gente ainda não tinha retornado das viagens do recesso, estávamos sem pessoal para dar conta desta situação atípica na Capital”, afirma.

Em 46 minutos, choveu quase a metade do registrado nos anos anteriores em todo o mês de dezembro – foram 65,3 mm no ponto mais afetado da cidade, a região Central, conforme o Corpo de Bombeiros, enquanto a média gira em torno dos 160 mm.

Nesse intervalo de tempo, a Defesa Civil esteve nas ruas Rui Barbosa, Ricardo Brandão, Joaquim Murtinho, avenida Julio de Castilhos e na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da Coronel antonino, que foi invadida pela água.

Os 50 bombeiros de serviço revezaram 30 viaturas para socorrer os bairros Joquei Clube, Marcos Roberto, Vila Nhá Nhá, Guanandi, Monte Castelo, Jardim TV Morena, e o Centro da cidade.

“Foram mais de 20 ocorrências só nestes locais durante a chuva. A maior parte delas inundações, mas também caíram duas árvores no Cabreúva e no José Abrão, além do corte de outra que apresentava risco no Almeida Lima”, diz o coronel Ociel Ortiz, do Corpo de Bombeiros. Em uma das ocorrências, uma árvore atingiu uma pessoa no bairro Parati. A vítima sofreu escoriações leves, e foi socorrida pela Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

“É uma grande quantidade de ocorrências ao mesmo tempo, a gente acaba mandando um veículo às vezes não adequado parta aquele tipo de ocorrência, e assim vamos conseguindo atender”, resume Ortiz. “Para o cenário normal de Campo Grande, o que mantemos aqui é suficiente para que a Defesa vá até o local e faça a intermediação necessária. O que aconteceu naquele sábado foi excepcional”, acrescenta Noleto.

Coronel Ortiz também é chefe da Defesa Civil do Estado e afirma que o Cenad (Centro de Gerenciamento de Desastres), em Brasília, emitiu alerta de temporal para Campo Grande, que foi repassado para a coordenadoria do órgão no município com 48 horas de antecedência. “Monitoramos as áreas de risco, sinalizamos antecipadamente, quando temos equipe, mas mesmo com o alerta não era esperado um temporal tão forte”, conclui Noleto.

Em pelo menos 4 bairros de Campo Grande, chuva alaga casas
Em pelos menos quatro bairros de Campo Grande, a chuva alagou casas neste sábado (4). Na Rua Ouro Verde, esquina com a Rua Amapolas, as residências d...
Chuva alaga trechos nas avenidas Mato Grosso e Ernesto Geisel
A forte chuva que cai, neste momento, na Capital alaga trechos das avenidas Mato Grosso e Ernesto Geisel. Na Mato Grosso, esquina com a Rua Bahia, ve...
Chuva invade casa e arrasta veículos em Campo Grande
Chuva forte de cerca de 20 minutos já alagou casa, no Bairro Monte Castelo, em Campo Grande e arrasta veículos nas ruas Dolores de Andrade e 25 de De...


GOSTARIA DE SABER ATÉ QUANDO A POPULAÇÃO VAI ACEITAR A SITUAÇÃO DE "ABANDONO" DE NOSSA CIDADE!...É UMA VERGONHA!!
 
Paulenir de Barros em 07/01/2014 09:12:57
É pra acabar... O chefe da Defesa Civil do município, major Luidson Noleto, esta de brincadeira quando diz "credita a equipe reduzida à falta de voluntários disponíveis na hora da chuva". Sou voluntário a 7 anos, na gestão do Major Noleto estou desde o início. A nossa Defesa Civil Municipal tá um lixo, temos que comprar macacão operacional, não temos instrumentos de trabalho, não somos acionamento de forma correta, alias somos acionados apenas para desfile de 26 de agosto e 7 de setembro, para se ter uma ideia NEM CARTEIRA DE IDENTIFICAÇÃO NÓS VOLUNTÁRIOS TEMOS.
Deveria o senhor major, tomar ciência desses problemas antes de criticar os voluntários. Será que ele sabe disso?
 
antonio silva em 07/01/2014 08:30:47
Não sei o que acontece para que a defesa civil seja tão desprezada pelas autoridades, é ridículo uma instituição desta importância viver de forma tão precária dependurada na guarda municipal que mal consegue andar pelas próprias pernas, acho interessante o envolvimento de voluntários, mas depender totalmente de voluntários não é aceitável, francamente chegou o momento de repensar a palavra "voluntário" como parte principal do seu contingente, se faz necessário um grupo forte e bem equipado que sejam guardas municipais, mas que recebam bem para isto sejam valorizados na sua função e esta palavra voluntário deve ser casual, uma instituição como a defesa civil não pode sobreviver somente de favores, esquecer da defesa civil é um descaso com a população na hora em que mais precisa.
 
aureliano sousa em 07/01/2014 07:36:10
boa noite sou voluntario da defesa civil , e ninguem ligou , ja perguntei para mais tres pessoas e ninguem ligou , estamos sempre de plantidao, estou a espera 24horas para a defesa civil de campo grande ms , dou a minha vida , para salvar a populacao .
 
fabricio gomes em 06/01/2014 22:51:40
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions