A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

23/04/2013 19:52

Grupo acusa PMs de tentar retirá-los de acampamento sem determinação judicial

Nyelder Rodrigues e Helton Verão
Líder do grupo afirma que policiais não tinham autorização, mas mesmo assim tentaram intimidá-los (Foto: João Garrigó)Líder do grupo afirma que policiais não tinham autorização, mas mesmo assim tentaram intimidá-los (Foto: João Garrigó)
Acampados exibem bandeira do movimento. Eles só sairão do local se houver determinação judicial (Foto: João Garrigó)Acampados exibem bandeira do movimento. Eles só sairão do local se houver determinação judicial (Foto: João Garrigó)

Um grupo que montou acampamento às margens do Anel Viário de Campo Grande, entre às saídas para São Paulo e Sidrolândia, acusam policiais militares de tentarem os tirar do local sem autorização para isso.

Nesta manhã eles começaram a montar o acampamento, com cerca de 48 pessoas, próximo ao lixão, em frente a uma fazenda pertencente ao Jamil Name, cunhado do deputado estadual Jerson Domingos (PMDB).

Conforme um dos líderes do grupo, Rodionei Merli Coutinho, por volta das 11h, os policiais chegaram ao local e sem documentos e presença de oficiais de justiça, exigiram a saída deles dali. Um vídeo foi gravado pelos acampados, mostrando a chegada dos policiais (pode ser visto ao final do texto).

“Sabemos dos nossos direitos. Eles não podiam retirar a gente sem autorização judicial, sem oficial de justiça, e sem a PRF (Polícia Rodoviária Federal) ou DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes)”, explica Rodionei.

O líder, que integra o Movimento Sul-mato-grossense de Agricultura Familiar, também conta que foi dado 3h para eles saírem dali, mas eles vão continuar. Entretanto, mulheres e crianças não ficaram.

Além disso, Rodionei afirma ter entrado em contato com o DNIT e PRF, e não há nenhum pedido oficial de retirada. O grupo acredita que os policiais só foram ao local tentar retirá-los dali por causa de influência política.

“O policial que veio falar com a gente, dizendo que sabíamos que a terra era do Jamil”, revela Rodionei, que acrescenta que a intenção não é invadir a área, mas apenas a de chamar a atenção do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) para a necessidade dos sem-terras serem assentados.

Esse é o terceiro acampamento montado pelo Movimento Sul-mato-grossense de Agricultura Familiar. O primeiro fica próximo à Gameleira, e o segundo na região de Dois Irmãos de Buriti. O movimento conta com 1.320 integrantes, segundo Rodionei.

Terminal rodoviário de Campo Grande oferece cartões de Natal gratuitos
A rodoviária de Campo Grande, mais um ano, oferece gratuitamente cartões de Natal gratuitamente para os passageiros que passarem pelo local até o pró...
Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...
Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...


O terra de ninguém.
Para que oficial de justiça se o Jamil mandou!!!
Depois reclamam do salário de fome que recebem.
 
cezar oliveira bispo em 23/04/2013 22:37:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions