ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 29º

Capital

“Herdeiro de Escobar” corre risco de morrer na “Supermáxima”, alega defesa

Acusado de tráfico, Dom Pulo teve pedido de prisão domiciliar negado pela Justiça brasileira

Por Anahi Zurutuza | 24/06/2021 12:42
Dom Pulo durante internação em outra ocasião; defesa alega que ele tem vários problemas de saúde e precisa ir para hospital (Foto: Uol/Reprodução) 
Dom Pulo durante internação em outra ocasião; defesa alega que ele tem vários problemas de saúde e precisa ir para hospital (Foto: Uol/Reprodução)

Necessitando, segundo a defesa, de tratamento hospitalar urgente, o boliviano Jesus Einar Lima Lobo Dorado, o “Dom Pulo”, teve pedido de prisão domiciliar negado. Depois de ter sido extraditado para responder a processo por tráfico no Brasil, ele foi levado ao Penitenciária Estadual Masculina de Regime Fechado da Gameleira, conhecida como “Supermáxima”.

O “figurão” do tráfico chegou a Corumbá, na noite do dia 5 de maio, segundo o jornal boliviano El Deber. Lobo Dorado é “herdeiro” do poder de conhecido traficante colombiano Célimo Andrade, parente do outro poderoso Pablo Escobar, segundo a Felcn (Força Especial de Combate ao Tráfico de Drogas) da Bolívia.

Ainda segundo El Deber, o líder do clã matinha vínculo com outros grupos dedicadas ao narcotráfico, dentre elas o PCC (Primeiro Comando da Capital), uma das maiores organizações criminosas que age de dentro e fora dos presídios brasileiros.

No Brasil, ele responde a processo acusado de ser o responsável pelo envio de ao menos 500 kg de cocaína para o País ao longo do ano de 2014.

Conforme apurado pelo colunista Josmar Jozino, do Uol, a defesa de Dom Pulo nega o envolvimento dele com o narcotráfico e alega que ele é réu primário, não tem sentença final condenatória, sofre de várias doenças, já teve covid-19, tem 54 anos e necessita urgentemente de tratamento médico. Porém, o pedido de prisão domiciliar foi negado pela Justiça Federal do Acre onde tramita o processo.

O portal Uol apurou que ele pesa hoje 170 kg, tem diabetes, pressão arterial alta, insuficiência cardíaca, obesidade mórbida e sofre de claustrofobia. Defensores alegam que Dom Pulo corre sério risco de morrer na prisão.

A Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) informou, por meio da assessoria de imprensa, que o detento divide cela para PNEs (Portadores de Necessidades Especiais) com outro preso e "faz acompanhamento médico regular e tratamento da diabetes e hipertensão". Ele também recebe acompanhamento psiquiátrico por causa da claustrofobia.

O preso, que está na "Supermáxima" desde 13 de maio, também foi vacinado contra a covid-19.

Dorado em viatura da polícia boliviana logo depois de ser pego em casa (Foto: El Deber)  
Dorado em viatura da polícia boliviana logo depois de ser pego em casa (Foto: El Deber)


*Matéria alterada para correção de informação a pedido da Agepen.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário