ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 10º

Capital

Incêndio em geladeira destrói casa e tira o pouco que era o tudo de família

Crianças e adultos choraram pela perda dos móveis e eletroeletrônicos

Por Aline dos Santos e Mariana Rodrigues | 11/03/2021 10:20
Regina chorou ao ver incêndio se espalhar da geladeira para a casa de três cômodos. (Foto: Henrique Kawaminami)
Regina chorou ao ver incêndio se espalhar da geladeira para a casa de três cômodos. (Foto: Henrique Kawaminami)

“Fogo, mãe!”. O grito desesperado da filha de 8 anos foi o alerta para que a dona de casa Regina Rosa Porto, 36 anos, corresse para salvar o filho de 13 anos que dormia no imóvel e também para que uma rede de solidariedade viesse em socorro.

A vizinhança ajudou com baldes a caminhão-pipa, “emprestado” de uma obra vizinha ao imóvel, localizado no bairro Celina Jallad, região do Portal Caiobá, em Campo Grande. Quando os bombeiros chegaram, o incêndio já tinha sido controlado.

A reportagem encontrou um cenário de desolação, com crianças e adultos chorando pela perda dos poucos móveis e eletroeletrônicos, mas que era o tudo da família.

Regina contou que estava tomando café, junto com três filhos (dois meses, 11 anos e 8 anos) e uma vizinha na caçada, em frente ao imóvel. “A menina de 8 anos entrou  e saiu gritando: ‘Fogo,mãe’”, diz.

Fogo na manhã desta quinta-feira destruiu mobília e eletrônicos em casa no Celina Jallad. (Foto: Henrique Kawaminami)
Fogo na manhã desta quinta-feira destruiu mobília e eletrônicos em casa no Celina Jallad. (Foto: Henrique Kawaminami)

As chamas começaram pela geladeira. “Minha reação foi acordar meu filho de 13 anos, que estava dormindo e gritar de desespero”, diz Regina, que recebe o Loas (Lei Orgânica da Assistência Social), benefício da Previdência no valor de um salário mínimo (R$ 1.100).

O fogo atingiu os três cômodos da casa, com o teto revestido de fuligem. A televisão derreteu e as chamas consumiram a pouca mobília. Clarisse Rosa Porto, 56 anos, mãe de Regina, conta que vai abrigar a filha e os netos. “Vamos ver o que fazer, perderam tudo”. Quem quiser colaborar com doações pode entrar em contato por meio do telefone (67) 99234 4168.

Pela janela, menino olha estragos provocados por incêndio em sua casa. (Foto: Henrique Kawaminami)
Pela janela, menino olha estragos provocados por incêndio em sua casa. (Foto: Henrique Kawaminami)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário