A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 22 de Setembro de 2018

02/04/2018 16:23

Índios mantém ocupação da Funai para exigir troca no comando

O protesto começou por volta das 7h30 e é encabeçado por famílias indígenas da região de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti

Guilherme Henri e Geisy Garnes
Na tarde desta segunda não há tumulto no prédio da Funai (Foto: Na tarde desta segunda não há tumulto no prédio da Funai (Foto:

O grupo de índios Terena continua na sede da Funai (Fundação Nacional do Índio) na tarde desta segunda-feira (2) em Campo Grande. A liderança do movimento afirma que o prédio só será liberado depois que a reivindicação de trocar a coordenação estadual for atendida por Brasília (DF).

Otoniel Gabriel, liderança da região da Terra Indígena Buriti e porta-voz dos manifestantes, diz que a invasão surtiu efeito, pois conseguiram contato com representantes nacionais da Funai. “Nos prometeram levar a reivindicação para o Ministério da Justiça. Mas, se não for atendida podemos a qualquer momento bloquear a BR-163”, ameaça.

Sobre as acusações de agressões ao atual coordenador do órgão, Otoniel explica que o movimento ainda não foi procurado pela Polícia Federal. “Temos vídeos para mostrar que não agredimos ele. Porém, como nos orientaram só vamos mostrá-los em caso de extrema necessidade”, detalha.

A quadra da sede da Funai, localizada na rua Sete de Setembro entre Franklin Roosevelt e Castro Alves no Centro continua interditada. O movimento é acompanhado pela Polícia Militar.

Protesto - O protesto começou por volta das 7h30 e é encabeçado por famílias indígenas da região de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti. Na ocupação, o atual coordenador regional, Paulo Rios, afirma que foi agredido ao chegar no prédio. Por outro lado, os índios negam as agressões e afirmam que o coordenador se jogou na rua.

Polêmica - Ex-assessor do ministro da Secretaria da Presidência, Carlos Marun (MDB), Paulo Rios Júnior assumiu o comando da Funai no dia 28 de setembro do ano passado. Na época, a escolha já havia gerado protestos de servidores da Funai e lideranças indígenas.

O comando da Funai em Mato Grosso do Sul estava vago desde 12 de dezembro de 2016, quando o coronel reformado do Exército Brasileiro, Renato Vida Sant'Anna, também sugestão de Marun, pediu exoneração do cargo.

 

ndígenas dentro do prédio da Funai em Campo Grande (Foto: Liniker Ribeiro)ndígenas dentro do prédio da Funai em Campo Grande (Foto: Liniker Ribeiro)


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions