ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 16º

Capital

Juiz manda soltar, mas rapaz preso com ladrões de Reinaldo faz 1 mês na cadeia

“Voltei com o alvará e sem ele”, narra irmã de rapaz pego com dupla que confessou crime sobre ida ao presídio

Por Anahi Zurutuza | 10/07/2024 10:17
Momento que trio foi abordado pela Polícia Civil de São Paulo, na região central da capital paulista (Foto: Inquérito/Reprodução)
Momento que trio foi abordado pela Polícia Civil de São Paulo, na região central da capital paulista (Foto: Inquérito/Reprodução)

A terça-feira (9) seria de alívio para a família de Antônio Matheus de Souza Silva, de 23 anos, preso com dupla de ladrões confessos ao apartamento do ex-governador Reinaldo Azambuja (PSDB), mas foi mais um dia de sofrimento. A microempresária, Kelly de Souza, de 30 anos, que há um mês tenta provar a inocência do irmão, foi até a Penitenciária Estadual Masculina de Regime Fechado da Gameleira I, conhecida como “Supermáxima”, com o alvará de soltura de Matheus nas mãos, mas deixou o local sem vê-lo sair pela porta da frente.

Kelly afirma que Matheus é vítima de mais um erro da burocracia do Judiciário. Ao consultar o nome do interno em banco de dados da segurança pública, administração do presídio encontrou ordem de mantê-lo detido. “Não foi cumprido o alvará de soltura porque o mandado de prisão de São Paulo, que já deveria ter saído do sistema quando houve a transferência para Mato Grosso do Sul, não saiu”, explica.

Para completar, nada pôde ser feito pelo advogado contratado pela família, Paulo Tarso Campos de Oliveira. O dia 9 de julho, dia da Revolução Constitucionalista de 1932, é feriado em São Paulo e não houve expediente forense. “No processo principal foi revogada a preventiva pelo juiz da vara onde tramita o inquérito. Foi expedido alvará de soltura, só que não foi possível a liberdade por impedimento decorrente do processo que iniciou em São Paulo quando houve a prisão. Processo esse que já foi remetido pra Campo Grande”, explica.

Antônio Matheus completa 30 dias na cadeia nesta quarta-feira (10). “São 30 dias de sofrimento”, afirma a irmã.

Davi Morais Saldana (no celular) e Ítalo Alexandre Silvestre (com a mala) deixando o condomínio onde mora o ex-governador no dia do furto (Foto: Inquérito policial/Reprodução)
Davi Morais Saldana (no celular) e Ítalo Alexandre Silvestre (com a mala) deixando o condomínio onde mora o ex-governador no dia do furto (Foto: Inquérito policial/Reprodução)

Prisão revogada – Na segunda-feira, dia 8, o juiz Robson Celeste Candeloro decidiu revogar a prisão do jovem.

Ele fez breve resumo antes de partir para a justificativa para determinar a soltura. “Verifica-se que o acusado foi preso em situação de flagrância, no Estado de São Paulo por, supostamente, fazer parte de uma organização criminosa que atua furtando apartamentos de alto padrão. Paralelamente, neste Estado e Comarca de Campo Grande, estava em andamento inquérito policial que apura a ocorrência de um furto qualificado, sendo que em razão das investigações a autoridade policial representou pela prisão preventiva do acusado, o que foi deferido pelo Juízo Plantonista, para a garantia da ordem pública e conveniência da instrução criminal”.

O magistrado analisou os argumentos do advogado de Antônio Matheus que apresentou imagens da câmera de portaria do prédio onde o investigado mora na capital paulista mostrando que o rapaz nunca deixou a cidade. “Sem adentrar no mérito da causa, até porque não se pode fazer um juízo definitivo sobre os fatos neste momento, verifica-se, em princípio, que não mais se justifica a manutenção da prisão do acusado Antônio Matheus, porquanto, além dos vídeos apresentados pela defesa, os quais devem passar por perícia para análise de sua integridade, é certo que os depoimentos dos outros dois acusados, Davi Morais Saldana e Italo Alexandre Franca Silvestre, dão conta de que além dos dois, participou como motorista do veículo locado, pessoa de alcunha ‘Bigode’, e não Antônio Matheus cujo prosônimo é ‘Visão’, sendo que este apenas acompanhou Davi aos locais onde este receberia valores pelas res furtivae vendidas, sem saber qual era a razão, apenas por ser conhecido de Davi e de Ítalo e tê-los encontrado no caminho”.

Para Candeloro, não há motivo para manter o irmão de Kelly na cadeia. Ele terá de provas a inocência, mas pode fazê-lo em liberdade. “Até o momento, nada indica que, se ficar solto, impedirá a produção das provas necessárias à instrução criminal e ao deslinde da questão. Deste modo, verifico que não mais estão presentes os fundamentos para manutenção da prisão preventiva. Diante do exposto, contra o parecer ministerial, com fundamento no art. 316 do Código de Processo Penal, revogo a prisão preventiva decretada em desfavor de Antônio Matheus de Souza Silva. Expeça-se ‘alvará de soltura’”.

Kelly de Souza, 30 anos, em entrevista ao Campo Grande News no dia 25 de junho (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)
Kelly de Souza, 30 anos, em entrevista ao Campo Grande News no dia 25 de junho (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)

Compasso de espera – Enquanto isso, Kelly, que veio de São Paulo (SP) para Campo Grande no dia 19 de junho, busca mais elementos para demonstrar que o irmão não tem envolvimento com o crime pelo qual foi indiciado. “Não aguento mais saber que meu irmão está num lugar horroroso [presídio] sem ter furtado nada de ninguém”, disse em entrevista no dia 2 de julho, quando soube que Matheus havia sido transferido para a “Supermáxima”.

De acordo com a investigação da Garras (Delegacia Especializada em Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros), o crime aconteceu no dia 8 de junho, dia em que o apartamento de Reinaldo Azambuja estava vazio, mas só foi descoberto no dia seguinte, um domingo, quando o ex-governador voltou de viagem a Maracaju, cidade que comemorou 100 anos naquele fim de semana.

Antônio Matheus foi preso na tarde do dia 10 em São Paulo (SP), junto com Davi Saldana, de 24 anos, e Ítalo Silvestre, 22, que confessam o crime.

Kelly garante que o irmão “só estava no lugar errado, na hora errada” para acabar preso. A prisão, segundo a irmã, aconteceu perto do local onde moram, próximo também da “Rua do Ouro”, na região central da capital paulista.

A Garras conseguiu imagens que mostram Davi e Ítalo na rua conhecida pelo comércio de joias e de prédio onde a investigação acredita que a dupla vendeu os itens levados da casa de Reinaldo. Matheus não aparece junto, embora estivesse, um pouco mais tarde, no carro com os dois.

Conforme relatório policial, ao qual o Campo Grande News teve acesso, o trio estava no carro alugado por Ítalo para a empreitada criminosa na Capital sul-mato-grossense. No veículo, havia sacola contendo R$ 67 mil em espécie, relógios, colar e pulseira, objetos que Reinaldo e a ex-primeira-dama, Fátima Azambuja, reconheceram.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias