ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Juiz repassa celular de réu por matar menina ao Gaeco e MP monta força-tarefa

Aparelho do padrasto de criança já passou por institutos de criminalísticas em MS e no Paraná

Aline dos Santos | 14/09/2023 08:28
Christian Campoçano Leitheim é suspeito de matar a enteada de 2 anos. (Foto: Reprodução)
Christian Campoçano Leitheim é suspeito de matar a enteada de 2 anos. (Foto: Reprodução)

Depois do insucesso das polícias científicas de Mato Grosso do Sul e do Paraná em extrair dados do celular de Christian Campoçano Leitheim, 26 anos, suspeito de matar a enteada de dois anos, a Justiça repassou a missão para o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado). Já o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) formou força-tarefa de promotores para atuar no caso, crime que provocou comoção e forte reação da sociedade.

O juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, Aluízio Pereira dos Santos, ordenou que o aparelho celular seja enviado para o grupo, que é braço do Ministério Público e dotado de equipamentos de alta tecnologia.

Na última terça-feira (dia 12), o delegado Pablo Gabriel Farias da Silva, da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), informou ao magistrado que não foi possível realizar o desbloqueio da senha de acesso e a extração dos dados do celular do réu. As tentativas foram nos Institutos de Criminalísticas do Mato Grosso do Sul e do Paraná.

O Estado vizinho tem a versão premium de programa desenvolvido pela Cellebrite, empresa israelense que fabrica dispositivos de extração, transferência e análise de dados para telefones celulares e dispositivos móveis. A Polícia Civil encaminhou o relatório da análise do celular de Stephanie de Jesus da Silva, 24 anos, mãe da menina e que também responde pela morte da criança. O documento está em sigilo dentro do processo.

A próxima audiência segue marcada para o dia 28 e o magistrado destaca que o processo precisa “andar”.

“No mais, fica mantida a data da audiência agendada para o dia 28 de setembro do fluente mês e ano. Isto porque assegura-se o regular retorno do andamento do processo evitando-se, sobretudo, demora na conclusão da instrução criminal, lembrando as partes, principalmente à Assistente de Acusação que o excesso de prazo abre frestas ao ingresso de Habeas Corpus pela defesa nas instâncias superiores (...)para obterem a liberdade até porque os crimes ocorreram em janeiro do fluente ano, avançando, portanto, a passos largos para nove meses”, afirma o juiz.

Força-tarefa – Na quarta-feira (dia 13), o procurador-geral de Justiça, Alexandre Magno Benites de Lacerda, publicou portaria designando quatro promotores para atuarem no caso.

Além de Douglas Oldegardo Cavalheiro dos Santos, que já é titular da promotoria dos processos distribuídos à 2ª Vara do Tribunal do Júri, e Luciana do Amaral Rabelo (da mesma promotoria), foram designados os promotores José Arturo Iunes Bobadilla Garcia e Carla Guadanhim Bariani.

O crime – Na tarde do dia 26 de janeiro deste ano, a menina deu entrada na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Coronel Antonino, em Campo Grande, já sem vida. Inicialmente, a mãe Stephanie de Jesus da Silva, que foi até lá sozinha com a garota nos braços, sustentou versão de que ela havia passado mal, mas investigação médica apontou lesões pelo corpo, além de constatar que a morte havia ocorrido cerca de quatro horas antes de chegar ao local.

O atestado de óbito apontou que a menininha morreu por sofrer trauma raquimedular na coluna cervical (nuca) e hemotórax bilateral (hemorragia e acúmulo de sangue entre os pulmões e a parede torácica). Exame necroscópico também mostrou que a criança sofria agressões há algum tempo e tinha ruptura cicatrizada do hímen – sinal de que sofreu violência sexual.

O padrasto responde pelo homicídio e pelo estupro. Já a mãe da menina, por assassinato.

Receba a notícia no momento da publicação. ‎Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias