A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Janeiro de 2019

13/09/2016 17:16

Juiz volta atrás, encerra processo e taxa de iluminação é novamente suspensa

Christiane Reis
Com a extinção do processo a cobrança também será suspensa. (Foto: Alcides Neto)Com a extinção do processo a cobrança também será suspensa. (Foto: Alcides Neto)

A taxa de iluminação pública, motivo de disputa judicial entre Câmara Municipal e Prefeitura de Campo Grande, voltou a ser suspensa. O juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, reconsiderou decisão de que a Cosip (Contribuição para o Custeio da Iluminação Pública) deveria ser mantida e determinou a extinção do processo, voltando a valer lei municipal suspendendo a cobrança.

Segundo o magistrado, o município de Campo Grande também havia ajuizado ação direta de inconstitucionalidade contra a Lei Municipal 285/16 no Tribunal de Justiça, com pedido de liminar para suspender os efeitos da lei, que não foi acatada.

Ainda segundo o juiz, “embora em ações diferentes, com partes diferentes apreciada por magistrados diferentes, na prática a questão recebeu duas decisões contrárias, a primeira do Tribunal de Justiça negando o pedido de liminar e a segunda deste magistrado, concedendo o pedido. Não é possível co-existirem duas ações, que mesmo propostos sob nomes e fundamentos processuais diversos, tenham o mesmo resultado prático no conteúdo e na extensão”.

O caso - O projeto de lei para interromper a cobrança da taxa de iluminação pública foi aprovado pelos vereadores em maio. Chegou a ser vetado pelo prefeito, Alcides Bernal (PP), mas o veto foi derrubado pelo Legislativo municipal, sendo sua promulgação assinada pelo presidente da Câmara, vereador João Rocha (PSDB), conforme publicado no Diogrande do dia 25 de julho.

Logo depois, a prefeitura, que considera a legislação inconstitucional, foi ao TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) para tentar derrubar a lei nº 285/2016. Mas, no dia 31 de agosto, os desembargadores negaram a liminar que pedia a volta da cobrança.

Depois de vários adiamentos do julgamento da ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) e antes do parecer final, alguns integrantes do Órgão Especial do TJMS já haviam manifestado que votariam contra o pedido da Prefeitura. Por isso, no dia 30 de agosto, o Executivo municipal entrou com ação civil pública pedindo que juiz da 1ª instância determinasse que a Energisa, concessionária do setor em Campo Grande, voltasse a emitir a cobrança da taxa.

Homem sobre o efeito de drogas é encontrado esfaqueado em rua do Guanadi
Um rapaz, de 25 anos, foi parar na Santa Casa de Campo Grande depois de ser esfaqueado na Rua Jussara, no Bairro Guanandi por volta das 22h desta sex...
Dupla é presa ao ser flagrada pichando pista de skate da Orla Morena
Dois jovens, ambos de 21 anos, foram parar na delegacia na tarde desta sexta-feira (18) ao serem flagrados com droga e pichando a pista de skate da O...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions