ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Jurados continuam com celulares, mas todos os dias aparelhos são vistoriados

Durante um julgamento, a incomunicabilidade dos 7 integrantes do conselho de sentença é regra

Anahi Zurutuza e Antônio Bispo | 18/07/2023 09:06
Na bancada mais alta, o juiz Aluízio Pereira dos Santos, que preside o júri (Foto: Henrique Kawaminami)
Na bancada mais alta, o juiz Aluízio Pereira dos Santos, que preside o júri (Foto: Henrique Kawaminami)

Os cinco homens e duas mulheres que estão debruçados sobre as 15 mil páginas do processo que acusa Jamil Name Filho, Marcelo Rios e Vladenilson Daniel Olmedo de responsabilidade pela execução por engano de Matheus Coutinho Xavier, 20 anos, passaram a noite em hotel reservado pela Justiça, mas não estão completamente incomunicáveis. Os celulares não foram confiscados, segundo o juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, que conduz o julgamento.

Durante um julgamento, a incomunicabilidade dos 7 integrantes do conselho de sentença é regra e para garantir que eles não troquem opiniões sobre o caso, oficiais de justiça, se necessário, dormem “no meio” dos cidadãos – como em um quarto triplo de hotel, onde as duas mulheres e uma servidora do Judiciário passam a noite, por exemplo.

Pereira dos Santos afirma que, contudo, como o júri de “Jamilzinho”, Rios e “Vlad” será longo – começou nesta segunda-feira (17) e tem previsão de durar até quinta, dia 20 –, o acesso ao celular teve de ser flexibilizado. Jurados podem usá-los para se comunicar com as famílias, por exemplo, mas não podem manter conversas sobre o que estão julgando e nem acessar o material divulgado pela imprensa, para que não tenham o entendimento sobre o que estão testemunhando no Tribunal influenciado.

“Hoje, a questão do celular é relativa. Depende. É complicado você alijar ou afastar a pessoa do celular por vários dias. Então, eu conversei com a acusação e com as defesas. Ficou definido que esse uso será controlado, na medida que a pessoa necessitar, e monitorado pelo oficial de Justiça”, explicou o magistrado.

Na manhã de ontem, depois que foram escolhidos os responsáveis por decidir se o trio é ou não culpado da morte de Matheus, as sete pessoas puderam avisar as famílias, além de pedir roupas e pertences pessoais para os 4 dias. Se fosse necessário, o juiz disse que mandaria buscar as malas nos endereços indicados pelos jurados.

Plenário do Tribunal do Júri; jurados ficam atrás da parede de vidro (Foto: Henrique Kawaminami)
Plenário do Tribunal do Júri; jurados ficam atrás da parede de vidro (Foto: Henrique Kawaminami)

Ao longo desta semana, os cinco homens e as duas mulheres vão analisar provas, ouvir depoimentos de testemunhas do caso, além de ponderar os argumentos da acusação e das defesas dos réus.

No plenário, eles ficam sentados em local reservado. Não são vistos pela plateia, mas conseguem ter a visão das testemunhas, réus, defesas, promotoria e juiz.

Name Filho é acusado de mandar matar Paulo Roberto Teixeira Xavier, 52, ex-policial militar que havia trabalhado para a família e era considerado um traidor. O ex-guarda civil metropolitano Marcelo Rios e o policial civil aposentado Vladenilson Olmedo são acusados de planejar a execução. Por erro dos pistoleiros contratados para a execução, Matheus, filho de Xavier, acabou fuzilado na porta de casa.

Durante depoimento de Paulo Roberto Teixeira Xavier, na tarde de ontem, Name Filho o encara (Foto: Paulo Francis)
Durante depoimento de Paulo Roberto Teixeira Xavier, na tarde de ontem, Name Filho o encara (Foto: Paulo Francis)

Júri – Nesta segunda-feira, primeiro dia do júri, foram ouvidas cinco testemunhas da acusação: os delegados Daniella Kades, Tiago Macedo e Carlos Delano. O pai da vítima, Paulo Xavier, também foi ouvido e, por fim, o investigador da Polícia Civil Giancarlos de Araújo e Silva.

O foco da defesa, em todos os casos, foi tentar desvencilhar a família Name do caso, citando inclusive ligação entre o major reformado da PM e megatraficante, Sérgio Roberto de Carvalho, e Paulo Roberto Xavier, pai de Matheus.

Nesta terça-feira (17), uma testemunha de acusação, delegado João Paulo Natali Sartori, do Garras (Delegacia Especializada em Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros), está sendo ouvida. Ele fez parte da força-tarefa que investigou os acusados da Operação Omertà e não houve tempo de ouvi-lo ontem.

Em seguida, começam as oitivas da defesa, entre elas a esposa de Rios, Eliane Benitez Batalha dos Santos. Ela chegou a ser considerada testemunha-chave da Omertà, mas, repentinamente, mudou totalmente a versão dada em 80 minutos de gravação feita pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), e agora, depõe pela defesa.

Policiais fortemente armados fazem a segurança dentro e fora do Tribunal do Júri (Foto: Henrique Kawaminami)
Policiais fortemente armados fazem a segurança dentro e fora do Tribunal do Júri (Foto: Henrique Kawaminami)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias