ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  08    CAMPO GRANDE 19º

Capital

Justiça suspende nomeação de militar para comando da Funai

Capitão reformado do Exército, José Magalhães Filho, tinha assumido a função em Campo Grande no dia 5 de fevereiro

Por Leonardo Rocha | 01/05/2020 12:52
Capitão reformado do Exército, José Magalhães (Foto: Arquivo)
Capitão reformado do Exército, José Magalhães (Foto: Arquivo)

A Justiça Federal de Campo Grande suspendeu a nomeação do capitão reformado do Exército, José Magalhães, para o cargo de coordenador Regional da Funai (Fundação Nacional do Índio), em Campo Grande. Ele tinha assumido a função no dia 5 de fevereiro.

A ação popular contra o militar tinha sido apresentada pelo Conselho Terena da Capital, e foi aceita, em decisão liminar, pela juíza (federal) Janete Lima Miguel, da 2° Vara de Campo Grande. Na sentença, ela destaca que apesar das qualificações técnicas de Magalhães, a ocupação do cargo precisa de representação política e social das comunidades indígenas.

Também cita as declarações que foram dadas pelo militar, em relação às comunidades.  “As (declarações) têm o condão de ofender justamente o grupo que deve ser protegido pela Funai, o que põe em sério risco a representatividade da minoria e garantia dos direitos constitucionais de organização social, costumes, línguas, crenças e tradições indígenas”.

A magistrada destaca ainda o clima de “instabilidade” que surgiu após a nomeação de Magalhães, nas comunidades indígenas, e a importância de ações voltadas para saúde pública. “Urgente necessidade de implementação de medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus”, descreve.

Sobre a suspensão da sua posse, Magalhães disse à reportagem do Campo Grande News, que neste momento “não tem nada a declarar”, em relação a decisão da magistrada.

Protesto – Os representes das comunidades indígenas tinham usado termos como “racista”, “retrógano” e “preconceituoso” contra José Magalhães, depois de declarações do militar dizendo que era preciso “socializar o índio” e inclusive sugerindo o casamento de meninas (indígenas) com brancos.

O advogado Eloy Terena, assessor jurídico do Conselho do Povo Terena, disse que o discurso adotado por Magalhães era a reprodução do que foi implantado no período da ditadura militar. “É totalmente retrógrada, militarizada”.

Posse - Na sua posse, o militar precisou ser escoltado pela PF (Polícia Federal), segundo ele, conforme orientação de Brasília por questão de segurança. Em entrevista, declarou que a intenção da gestão dele é “integrar sem desintegrar” o índio, passando pela educação, por meio das escolas urbanas.

Magalhães também disse que não concordava com a retomada de terras, alegando que não há “resgate a se pagar”. Na avaliação dele, o território foi tomado pelo mais forte, em alusão ao que acontece no reino animal. “Não tem essa, ‘ah, porque essa terra foi minha’, não existe isso na história”.

Nos siga no Google Notícias