ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Mãe se desespera sem saber quando enterrará filha morta em posto

Segundo a Sesau (Secretária Municipal de Saúde) a jovem morreu com suspeita de covid-19

Viviane Oliveira e Clayton Neves | 13/04/2020 12:51
Tatiane em frente ao Instituto Médico Odontológico Legal nesta manhã (Foto: Henrique Kawaminami) 
Tatiane em frente ao Instituto Médico Odontológico Legal nesta manhã (Foto: Henrique Kawaminami)

A auxiliar de serviços gerais Tatiane Cristina de Morais Santos, 35 anos, era a imagem do desespero nesta manhã. Ela soube que não há prazo para poder enterrar o corpo da filha, Jenifer Tais Rodrigues de Morais, 18 anos, que viu morrer de uma hora para outra, neste fim de semana.

A jovem faleceu na noite de ontem (12), no CRS (Centro Regional de Saúde) do Tiradentes após tomar duas injeções, de Diazepam e Dexametasona, direto na veia, conforme a informação da família. A Sesau (Secretária Municipal de Saúde), porém, diz que a jovem estava sob suspeita de contágio pelo novo coronavírus (covid-19).

Inicialmente, a família havia registrado o caso como morte a esclarecer, pois suspeitava de erro médico. Mas depois mudou o boletim de ocorrência para morte natural, embora mantenha o pedido de investigação e rejeite a possibilidade de a menina ter sido vítima do novo coronavírus.

“Eu só quero que a Justiça seja feita. Nada vai trazer minha filha de volta”, disse Tatiane em frente ao Instituto Médico Odontológico Legal.

Como havia a suspeita de erro médico, o corpo foi levado para o Imol. Lá, seria feito o exame necroscópico e o corpo demoraria pelo menos 15 dias para ser liberado. Como a família alterou o registro para morte natural, foi coletado material genético e levado para o Lacen (Laboratório Central de Mato Grosso do Sul), que vai apontar se a causa do óbito é covid-19.

Mãe acredita que a filha morreu por erro médico (Foto: Henrique Kawaminami) 
Mãe acredita que a filha morreu por erro médico (Foto: Henrique Kawaminami)

Relato - À reportagem, Tatiane disse que continua vendo indícios de erro médico. Segundo ela, a filha tomou duas medicações direto na veia e na sequência começou a passar mal. “Ela praticamente morreu nos meus braços. Gritava por socorro e ninguém ia lá ver o que estava acontecendo”, disse em prantos, enquanto era amparada pela a família.

Jenifer sofria de bronquite asmática e era a mais velha de quatro irmãos.

Tatiane afirma que a filha, sempre quando passava mal, era levada para o posto de saúde e que nunca foi aplicada medicação direto na veia. “Ela já chegou a tomar esse remédio. Mas, era diluído no soro”, lamentou.

Segundo a mãe, logo que Jenifer tomou o remédio começou a se coçar. “Comuniquei a enfermeira. Ela disse que era normal. Depois de um tempo, minha filha começou a esticar a perna, a boca ficou pálida. Quando vieram socorrer, a levaram rapidamente em parada cardíaca. Ela foi reanimada, mas teve outra e não resistiu”, contou. A mãe reclama que inicialmente a filha foi diagnosticada com problema emocional.

Segundo a Sesau (Secretária Municipal de Saúde), foi pedida prioridade por se tratar de um óbito suspeito da doença. Ainda conforme o órgão, a morte da jovem foi por Síndrome Respiratória Aguda Grave e precisa ser investigada. Casos assim geram suspeita de covid-19.

O corpo será liberado com caixão lacrado e vai direto para sepultamento, conforme a secretaria.

Nos siga no Google Notícias