ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Marquinhos tenta barrar, mas Justiça mantém investigações de assédio

Defesa do ex-prefeito Marquinhos Trad (PSD) pediu arquivamento de 6 casos, mas 3 foram negados

Caroline Maldonado | 29/09/2022 10:45
Ex-prefeito e candidato a governador Marquinhos Trad (PSD) em entrevista à imprensa (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Ex-prefeito e candidato a governador Marquinhos Trad (PSD) em entrevista à imprensa (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

A defesa do ex-prefeito e candidato a governador Marquinhos Trad (PSD) tentou barrar inquérito policial que apura importunação sexual a seis mulheres. Dez casos já foram arquivados. As investigações correm sob sigilo, mas o Campo Grande News teve acesso a decisão da Justiça, desta semana, em relação ao habeas corpus negado parcialmente pela Justiça, fazendo com que denúncias de três mulheres continuem sendo investigadas.

Pelos menos 16 mulheres (e o marido de uma delas) procuraram a Polícia Civil para fazer denúncias contra o ex-prefeito por crimes sexuais que estariam acontecendo desde 2005.

No início deste mês, a Justiça mandou arquivar as denúncias de seis mulheres contra Marquinhos. Na semana passada, foram arquivadas mais quatro denúncias.

Desta vez, o pedido liminar, impetrado pelas advogadas Andréa Flores e Rejane Alves de Arruda, tentou derrubar as investigações dos seis casos restantes.

Conforme a decisão, em relação a uma das possíveis vítimas “poderia configurar o crime de importunação sexual, previsto no artigo 215-A do Código Penal, fez constar que entretanto, a afirmação é prematura diante das declarações apresentadas, as quais apresentam indícios, ainda que mínimos, acerca de eventual importunação sexual, o que conforme entendimento do STJ (Superior Tribunal de Justiça), afasta a possibilidade de trancamento do inquérito policial”.

Arquivados - A Justiça determinou o arquivamento parcial do inquérito, no início deste mês. As denúncias de seis mulheres não poderiam resultar em punição porque os supostos crimes prescreveram, ou seja, passou o prazo para que ele pudesse ser processado. Portanto, Marquinhos deixou de ser investigado por dois supostos casos de tentativa de estupro e ainda quatro acusações de assédio. Em seguida, outros quatro casos foram arquivados.

Inquérito – A investigação foi aberta após as primeiras denúncias, feitas por quatro mulheres: duas de 32 anos, outra de 31, e uma mais jovem, de 21 anos. Marquinhos admitiu relações extraconjugais, mas negou crime, dizendo ser vítima de “armação política” de adversários para prejudicá-lo como candidato ao Governo.

As advogadas que defendem o ex-prefeito também afirmaram ainda que cafetina arregimentou garotas de programa para fabricar denúncias contra o cliente. Marquinhos ainda não prestou depoimento. Ele foi chamado para prestar depoimento facultativamente à polícia, mas não compareceu.

Depoimento - O delegado-geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, Roberto Gurgel de Oliveira Filho, explicou que o depoimento era oportunidade de Marquinhos se defender, mas ele não era obrigado a comparecer.

"A polícia tem interesse de ouvir a todos. Esse processo está sob sigilo, e não podemos dar detalhes, mas certamente ele [Marquinhos] será ouvido durante o decorrer do inquérito", disse Gurgel, durante inauguração de prédio da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), na quarta-feira (28).

Nos siga no Google Notícias