ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, DOMINGO  11    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Mortes por covid aceleram ampliação de covas em cemitério de Campo Grande

Estacionamento desativado do cemitério do Cruzeiro será adaptado para sepultar mortos de famíliares carentes

Por Silvia Frias e Bruna Marques | 08/03/2021 10:59
Área de antigo estacionamento que dará lugar a sepultamentos no cemitério do Cruzeiro (Foto: Bruna Marques)
Área de antigo estacionamento que dará lugar a sepultamentos no cemitério do Cruzeiro (Foto: Bruna Marques)

O aumento dos casos de morte por covid-19 em Campo Grande começou a afetar as vagas disponíveis aos sepultados pelo sistema social dos cemitérios públicos, de forma gratuita. Para evitar a falta de covas, o Cemitério São Sebastião (Cruzeiro) está sendo ampliado com mais mil covas, projeto que foi acelerado por conta da crescente demanda.

Em Campo Grande, 1.522 pessoas morreram em decorrência da covid, 8 mortes nas últimas 24h. Isso representa taxa de letalidade de 2%, ampliada a partir do recrudescimento dos casos de infecção da doença.

O problema de falta de espaço em cemitérios públicos já não é novo, mas essa demanda, por si só, aumenta a procura.

A vaga social é destinada às famílias carentes, que não têm condições de arcar com sepultamento em cemitério particular e que não têm gavetas nos cemitérios públicos de Campo Grande – Santo Antônio, Santo Amaro ou Cruzeiro.

Muro construído para deliminitar nova área (Foto: Bruna Marques)
Muro construído para deliminitar nova área (Foto: Bruna Marques)

No caso do Santo Antônio, não há nem espaço para estes sepultamentos sociais, sendo somente permitido para quem tem gavetas nos locais.

O secretário municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese, explicou que o projeto já estava nos planos da prefeitura e seria executado somente no fim do ano. A demanda criada pelos mortos da covid-19 aceleram os planos. “É uma área que não era usada, estamos pegando estacionamento que não era usado e incoroporando”.

O cemitério do Cruzeiro fica na Avenida Cônsul Assaf Trad, no bairro Mata do Jacinto e tem 143,7 mil m². Existem 29.450 sepulturas no local.

A reportagem apurou que o antigo estacionamento fica de frente para avenida em um dos portões da entrada do local. O muro já começou a ser ampliado para cercar a área. Na obra da secretaria, serão preservados os bancos e a capela.

A prefeitura informou que as mil vagas serão destinadas para os sepultamentos sociais. Embora a demanda seja menor, já que 80% dos enterros são feitos nos cemitérios particulares, a ampliação é para evitar que faltem vagas aos mais carentes e que dependem dessas áreas para sepultamento dos familiares.

Capela e bancos serão preservados na ampliação (Foto: Bruno Marques)
Capela e bancos serão preservados na ampliação (Foto: Bruno Marques)

Rudi Fiorese disse que hoje não estão faltando vagas nos cemitérios públicos, mas a medida é preventiva.

Cemitérios – Dos três cemitérios públicos de Campo Grande, o menor deles é o Santo Antônio, localizado na Avenida da Consolação, com área de 41.328 m² e 14.544 sepulturas.

O Santo Amaro, na Avenida Presidente Vargas, tem 43.041 sepulturas distribuídas em 270,3 mil m².

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário