A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

19/01/2016 16:49

'Mosquito do bem' sugerido a MS reduziu infestação em 82% em SP

Ricardo Campos Jr.
Mosquito transgênico criado em laboratório (Foto: Oxitec)Mosquito transgênico criado em laboratório (Foto: Oxitec)

A tecnologia de combate ao Aedes aegypti que será apresentada ao Governo de Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira (20) reduziu em 82% a infestação do mosquito em Piracicaba, no interior de São Paulo, segundo informações da prefeitura local. A técnica envolve o uso de insetos transgênicos, ou seja, com DNA alterado e material genético de outras espécies, para barrar a reprodução dos vetores.

O produto está sendo desenvolvido pela Oxitec, empresa inglesa da área de ciência e biotecnologia com filial no Brasil. Conforme a companhia, larvas de insetos machos são alteradas em laboratório e liberadas no meio ambiente.

Eles cruzam com as fêmeas selvagens gerando filhotes que morrem antes de chegar à idade adulta. Para o coordenador estadual de controle de vetores, Mauro Lucio Rosa, é preciso tratar o assunto com cautela. 

“A apresentação foi oferecida pela empresa e nós aceitamos. Todo o processo eles vão apresentar amanhã. Qualquer ferramenta que não seja para atrapalhar, vem para ajudar, mas não posso adiantar nada, já que o produto ainda é desconhecido”, afirma.

Ele explica que somente a apresentação não é suficiente para que o governo decida adquirir o produto, já que existem uma série de nuances envolvidas no processo. “Nós temos responsabilidade com o meio ambiente. Vamos colocar mais uma espécie de ser vivo e não sabemos o impacto disso. Temos que conhecer profundamente”.

Segundo o coordenador, existe até a possibilidade de que a empresa solicite ao Estado que sirva como “cobaia” para testar o mosquito transgênico. “Se for bom, será muito bem vindo. Se não for, com certeza nós não vamos aceitar. Nós precisamos de um parecer técnico e, se possível, estar em um estado em que já foi aplicado esse novo método”, pontua Rosa.

A apresentação será na Sala de Situação, criada para monitorar o projeto-piloto de combate ao Aedes no Estado.



Não entendi o "se possivel estar em um estado onde já foi aplicado esse novo metodo", se é bom que seja bem vindo meu amigo, deixa a mosquitada morrer jovem mesmo, não tem efeito colateral, se colocamos bufalos aqui, porque não mosquitos inofensivos?
 
Max em 19/01/2016 17:53:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions