A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Abril de 2019

07/11/2018 12:17

MP acata tese de insanidade de réu julgado por homicídio qualificado

Réu foi diagnosticado com retardo mental associado à epilepsia; comparsa de crime foi indiciado a 16 anos de prisão.

Bruna Pasche
Carlos tem idade mental de uma criança menor de nove anos. (Foto: Henrique Kawaminami) Carlos tem idade mental de uma criança menor de nove anos. (Foto: Henrique Kawaminami)

O Ministério Público Estadual acatou tese de insanidade mental de Carlos Fernandes de Souza, 46 anos - julgado nesta quarta-feira (7) por homicídio triplamente qualificado da vítima Carlos Roberto Alem, conhecido como “Pardal”, no bairro Portal Caiobá, em 2013. Lourival Severiano da Silva participou do crime e já foi julgado e condenado. 

Carlos Fernandes passou por vários testes e perícia revelou que é portador de retardo mental moderado, associado com epilepsia, sendo assim, sua idade mental é de uma criança maior que seis anos, mas menor de nove. 

O acusado morava com sua mãe em frente à construção de um sobrado que a vítima morava com Lourival. Segundo a denúncia, Lourival não queria mais morar com Carlos e o acusado também não o queria mais ali porque não aguentava mais ele falando palavrão em frente a casa de sua mãe.

O crime aconteceu há cinco anos, no dia 17 de novembro. Inicialmente, Carlos contou na delegacia que saiu para beber com Lourival e que ao retornarem para casa, o amigo falou que a vítima estaria na construção, sugerindo o homicídio. Carlos topou e então foi até sua casa, pegou uma barra de ferro e ao chegar ao quarto da construção em que Pardal estava, desferiram vários golpes em seu rosto. Ele teria dado três e Lourival mais dois. Além disso, os dois jogaram a vítima pela sacada do sobrado.

Já durante seu depoimento no júri, Carlos disse que não queria falar, seu defensor Ronald Calixto, então explicou a importância de seu depoimento e ele disse, com dificuldades, que matou Pardal sozinho e com apenas uma paulada. “Ele estava xingando na frente da casa da mãe, eu fui pedir para ele parar e ele disse que ia rachar minha cabeça na bala, ai eu corri atrás dele com a barra de ferro e dei um golpe na cabeça”, contou.

Promotor Douglas Oldegardom mostrou a barra de ferro utilizada no homicídio. (Foto: Henrique Kawaminami) Promotor Douglas Oldegardom mostrou a barra de ferro utilizada no homicídio. (Foto: Henrique Kawaminami)

Depois do crime, Lourival lavou o sangue do quarto e Carlos foi para casa tomar banho e lavar a barra de ferro. “Ai eu fui trabalhar um mês em uma fazenda e não vi mais o Lourival”, detalhou o réu. Quando preso, Carlos confessou o crime, mas Lourival negou. No entanto, ele foi julgado e condenado há 16 anos por homicídio triplamente qualificado por recurso que dificultou a defesa da vítima, meio cruel e motivo torpe, em agosto de 2017.

De acordo com a defesa, laudos periciais comprovaram o quadro de insanidade mental de Carlos e que ele agiu por impulso de uma ação comandada por Lourival, sustentando que durante todos esses anos, Carlos não ofereceu nenhum risco a comunidade ou a pessoas próximas a ele. O Ministério Público por sua vez entendeu o mesmo.

“Não tenho o que falar a não ser que ele é mesmo inimputável. Agora cabe aos jurados e ao juiz concordar ou não com essa tese e ao juiz também decidir se ele vai ter tratamento ambulatorial, em liberdade ou internado em clínicas”, disse o promotor Douglas Oldegardo.

Carlos aguarda decisão de julgamento em liberdade.

Motorista de aplicativo 'arranca' com veículo e foge com celular de passageira
Uma mulher de 50 anos procurou a polícia na noite de segunda-feira (22) após ter o celular furtado por um motorista de aplicativo em Campo Grande. O ...
Homem será julgado 15 dias após matar colega com golpe de 'picareta' na cabeça
Quinze anos depois de ter matado Olegário Gimenes com um golpe de picareta na cabeça, Amilton Maidana, de 65 anos, será julgado nesta terça-feira (23...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions