A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 13 de Novembro de 2018

04/03/2011 16:32

MPE diz que só começou analisar doação para hospital em fevereiro deste ano

Marta Ferreira

Responsável por fiscalizar entidades como a que administra o Hospital do Câncer Doutor Alfredo Abrão, em Campo Grande, 49ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público, das Fundações e Terceiro Setor, informou hoje que só recebeu no dia 11 de fevereiro o pedido para analisar as mudanças no estatudo da fundação Carmem Prudente exigidas pelo pecuarista Antônio Morais dos Santos para concretizar a doação milionária para a construção de um novo prédio para a instituição.

A análise pelo MPE começou quase um ano após divulgada a doação, em março de 2010. Esta semana, o pecuarista anunciou que não faria mais a doação, dada a impossibilidade de a Fundação cumprir suas exigências, entre as quais estaria a garantia de que o prédio não teria, no futuro outro fim, e que não seria vendido.

Em nota divulgada hoje, a promotora de Justiça Renata Ruth Fernandes Goya Marinho informa que quando o pedido de análise das alterações foi protocolado, a Fundação há havia sido notificada pelo pecuarista, no dia 9, a cumprir, impreterivelmente, as obrigações assumidas, sob pena de suspensão do andamento da construção do prédio doado e cancelamento da referida doação, o que se confirmou esta semana.

Reunião-A promotora afirma na nota que, tendo em vista o caráter urgente da situação, embora o prazo legal fosse de trinta dias para análise da alteração estatutária, foi realizada reunião na Promotoria de Justiça, no dia 15 de fevereiro de 2011, com a presença de representantes do pecuarista e do hospital em que foi informado que mesmo no caso de aprovação do MPE (Ministério Público Estadual), havia impossibilidade jurídica do pedido, “no caso, a impenhorabilidade da obra construída no terreno já pertencente à Fundação, por atingir direitos de terceiros de boa-fé”.

Ainda conforme a nota, dessa reunião foi lavrada ata e o advogado do doador, Niuton Ribeiro Chaves Junior, solicitou prazo de 5 dias para se manifestar por escrito a respeito, o que ainda não foi feito.

“As medidas adotadas tinham vista à estabilidade jurídica, bem como à transparência das relações contratuais de relevância pública, pelas quais incumbe ao Ministério Público velar, não tendo sido imposto nenhum entrave ou óbice, ao contrário, todas as orientações, intermediações, apontamentos e providências foram adotados com a celeridade que a questão, pela sua repercussão e importância, demandavam, não cabendo ao Ministério Público qualquer interferência ou sugestão na seara das vontades privadas que fundam, ou fundavam, o negócio jurídico bilateral (doação condicionada)”, justifica a promotora.

Ela encerra o documento afirmando que os trâmites legais estão transcorrendo dentro da normalidade em relação ao assunto “sem qualquer ingerência sobre a vontade dos envolvidos”, preservando-se a estrita legalidade dos ajustes entabulados e com a transparência e celeridade com que vinham sendo enfocados até o momento.

Pecuarista cancela doação milionária para obra do Hospital do Câncer
Um ano depois de ter sido anunciada a doação de R$ 15 milhões pelo pecuarista Antônio Moraes dos Santos para a construção de um novo prédio do Hospit...
Homem com sinais de agressão é encontrado ensanguentado no Amambai
Homem de 28 anos foi encontrado ensanguentado na Rua Engenheiro Roberto Mange, no Bairro Amambai, devido aos diversos cortes que sofreu pelo corpo, n...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions