ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEXTA  28    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Mulher flagra guinchos recolhendo carros após garagista desaparecer

Esposa encontrou caminhonete do esposo em garagem, mas homem ainda não foi encontrado

Por Dayene Paz | 01/12/2021 07:43
Carlos Reis é procurado pela família, em Campo Grande. (Foto: Arquivo Pessoal)
Carlos Reis é procurado pela família, em Campo Grande. (Foto: Arquivo Pessoal)

Depois de sair de casa em uma caminhonete S-10 para resolver negócios de trabalho, o garagista Carlos Reis Medeiro de Jesus, de 52 anos, desapareceu e é procurado pela família, que já registrou boletim de ocorrência. Ainda na noite de ontem, a esposa foi até a garagem e flagrou dois guinchos retirando veículos do local.

De acordo com a esposa, a empresária Josiane Medeiro, Carlos saiu de casa, na região do Bairro Tiradentes, por volta das 8h desta terça-feira (30). "Ele falou que ia resolver umas coisas do trabalho e saiu até mais cedo que o normal", conta.

Durante o decorrer do dia, a família não conseguiu contato com o homem. "O celular tocou até certa hora, mas depois, só deu desligado", diz a mulher. Então, no início da noite, Josiane resolveu ir até a garagem, acompanhada dos filhos do casal, para ver se encontrava Carlos. "Quando cheguei lá, tinham dois guinchos e a S-10 que ele saiu de casa também. Eles estavam recolhendo dois veículos", conta.

Josiane diz que questionou os condutores do guincho sobre quem teria aberto a garagem para eles. "Eles falaram que foi meu esposo, então, eu estranhei, perguntei onde ele estava porque tinha tentado contato o dia todo, eles falaram que na Bandeirantes, resolvendo as coisas sobre o valor dos carros". A mulher então pediu para segui-los até onde o esposo estava. "Perguntei se podia segui-los, porque não sabia onde meu marido estava. Eles deixaram, mas no meio do caminho, me perdi deles", afirma.

Josiane então voltou para casa e até a manhã desta quarta-feira (1º), não teve notícias de Carlos. "Ele podia sair, mas sempre dava satisfações, nunca deixava de ligar ou atender, muito menos dormir fora assim". A mulher relata que o casal estava bem. "Nem brigas, nem problemas financeiros, nada".

O boletim de ocorrência de desaparecimento foi registrado pela irmã de Carlos, na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Cepol (Centro Integrado de Polícia Especializada).

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário