ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 18º

Capital

Mulher pede dipirona ao 190, PM percebe denúncia de violência e prende marido

Marido estava agredindo fisicamente a esposa e acabou preso em flagrante

Gabrielle Tavares | 14/09/2022 14:35
Número da Polícia MIlitar. (Foto: Liana Feitosa)
Número da Polícia MIlitar. (Foto: Liana Feitosa)

Uma ligação inusitada resultou na prisão de um agressor em Campo Grande. Na semana passada, uma mulher ligou para o 190 pedindo uma cartela de dipirona. A princípio, o atendente do Copom (Centro de Operações da Polícia Militar) achou que se tratava de um engano, mas desconfiou da insistência da senhora em pedir o medicamento, mesmo depois de ter falado que o número não era de uma farmácia.

Na verdade, ela estava sendo agredida pelo marido e como não podia falar diretamente com a polícia, fingiu que estava pedindo o remédio.

O Policial Militar então, buscou outras formas de conseguir mais informações e usou a quantidade de cartelas de dipirona para saber o nível de agressividade do marido dela.

Uma viatura da PM foi enviada com urgência até a casa onde estava ocorrendo a violência doméstica e o homem foi preso em flagrante.

O comandante do Copom em Campo Grande, Emerson de Almeida Vicente, elogiou a perspicácia do atendente.  “É um policial que já vivenciou um pouco de rua, policial com certa experiência profissional, que conseguiu, na hora que ela pediu a dipirona, perceber que poderia ser um crime de violência.”

O comandante avalia que o "final feliz" só ocorreu porque o “policial conseguiu extrair informações importantes, como se o agressor estava perto; qual a intensidade da agressão, se estava muito agressivo ou pouco agressivo; e se estava armado ou não”

Em segurança, ele diz que depois a mulher ligou para a corporação e agradeceu pelo atendimento.

A PM reforçou denúncias podem ser feitas pelo 190 em casos de emergência. Também existe a Central de Atendimento à Mulher, através do 180, que presta escuta e acolhida qualificada às mulheres em situação de violência.

Nos siga no Google Notícias