A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Junho de 2017

25/11/2016 16:48

Ninguém entende o 'abismo' de Lucas, ótimo filho e querido por todos

Adriano Fernandes
Lucas cursava o 4° semestre da faculdade de odontologia. (Foto: Reprodução Facebook) Lucas cursava o 4° semestre da faculdade de odontologia. (Foto: Reprodução Facebook)

Dezenas de familiares, amigos, colegas da faculdade e até ex-colegas do ensino médio prestaram as últimas homenagens ao estudante Lucas Cavalcante da Silva Louveiro, de 19 anos, que na tarde de quinta-feira (24), se jogou do pontilhão da Avenida Salgado Filho, no bairro Amambaí, região sul de Campo Grande.

Entre todos, além das saudades do garoto sorridente e muito querido pela família e amigos, também restava a dúvida quanto ao motivo de ele tirar a própria vida. No dia 3 de setembro, uma mensagem dele no Facebook dizia: "Vejo um abismo sobre meus pés onde morro de vontade de se jogar dele. Na queda apenas relaxar cm a brisa do vento tocando em meus ouvidos até q chegue apenas um último suspiro.... (sic)".

“Todo mundo gostava dele. Por onde passava fazia amigos, cumprimentava e tratava a todos com muito carinho. A prova disso é que todos os amigos e até ex-colegas de escola, professores, vieram se despedir dele”, comentou o comerciante Valdeir de Souza Louveiro, de 43 anos, pai do garoto.

O comerciante não sabe explicar porque Lucas teria se matado e também diz que o rapaz nunca apresentou nenhum tipo de sintoma que indicasse uma depressão, por exemplo. Ele cursava o 4º semestre de odontologia na Uniderp e estava em semana de provas, segundo o pai.

Valdeir conta que na tarde de quinta-feira viu a movimentação no pontilhão que passa sobre a avenida Ernesto Geisel, após o rapaz ter se jogado. Mas só momentos depois foi saber que era o seu filho.

“Eu estava fazendo compras bem ali ao lado. Quando saí, vi a movimentação, mas só quando eu estava em casa é que fui ser avisado que era meu filho”, se queixa. Tão grande também foi a angústia da jovem Thais Feitosa, de 22 anos. A melhor amiga do garoto, foi uma das últimas pessoas a falar com o Lucas.

O corpo foi velado em capela no bairro Aero Rancho em frente ao comércio do pai de Lucas. (Foto: Adriano Fernandes) O corpo foi velado em capela no bairro Aero Rancho em frente ao comércio do pai de Lucas. (Foto: Adriano Fernandes)

“Eu tentei segurá-lo, pedi para ele não fazer aquilo e ele só sabia dizer que não tinha jeito”, se emociona. Lucas, Thaís e um outro jovem, Douglas, eram melhores amigos.

“Ele enviou a foto do alto do pontilhão para o nosso amigo dizendo que ia se jogar e em seguida o Douglas me encaminhou. Eu fui desesperada para lá. Parei o carro, pedi para ele não fazer aquilo, chamei quem eu podia para me ajudar e até conseguimos segurar ele antes dele se jogar. Mas não foi o suficiente”, comenta.

Ela também não sabe o que teria motivado a atitude do rapaz, mas conta que nunca vai esquecer do sorriso fácil do amigo e das muitas vezes em que o trio saia junto para se divertir. “Era um amigo que podíamos contar a toda hora, sempre muito feliz e extrovertido.De um sorriso que eu nunca vou me esquecer”, conclui.

O corpo de Lucas foi enterrado no Cemitério Nacional Parque, na região das Moreninhas em Campo Grande, esta tarde (25).

Internas do presídio feminino recebem atendimento do Hospital de Barretos
As internas do presídio feminino Irmã Irma Zorzi, em Campo Grande, realizaram nesta segunda-feira (26) exames de prevenção ao câncer de colo de útero...
MS recebe em julho Congresso Brasileiro de Ensino da Educação Física
Mato Grosso do Sul sediará pela primeira vez o Congresso Brasileiro de Ensino da Educação Física para Saúde. O evento acontecerá em Campo Grande, ent...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions