ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 21º

Capital

No comércio, tem cliente que já conseguiu aplicar golpe 2 vezes na mesma loja

Se antes os comerciantes precisavam ficar atentos com as notas falsas, agora o risco é o Pix

Por Idaicy Solano e Geniffer Valeriano | 08/01/2024 15:35
Movimentação de clientes no caixa de loja da região central de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)
Movimentação de clientes no caixa de loja da região central de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)

Na era da carteira digital, se antes os comerciantes precisavam ficar atentos com as notas falsas, agora a moda da vez é o golpe do Pix. A modalidade de transferência bancária rápida e sem custos veio para facilitar a vida de quem paga, mas se tornou mais um motivo de apreensão para quem está do outro lado do balcão. De comprovantes falsos a pagamento agendado, e depois cancelado pelo cliente, é raro encontrar comércio que não tenha levado calote pelo menos uma vez.

Após cair no golpe duas vezes, com a mesma cliente, em lojas diferentes, a gerente da Prisma Cosméticos, na Rua 14 de Julho, no Centro de Campo Grande, Vanessa Alves, 33 anos, conta que a solução foi adotar o pagamento por meio do QR Code. Em apenas uma das compras o prejuízo foi de quase R$ 500.

Aceita pagamento no Pix apenas por QR Code foi solução encontrada pelos comerciantes para evitar golpes (Foto: Henrique Kawaminami)
Aceita pagamento no Pix apenas por QR Code foi solução encontrada pelos comerciantes para evitar golpes (Foto: Henrique Kawaminami)

“Não fizemos boletim de ocorrência porque é muito demorado, e tem que deslocar o pessoal da loja. Agora quando fazemos a entrega e o cliente vai fazer o pagamento por Pix, só entregamos o produto após confirmar o caimento do Pix na conta”, declara a gerente.

O proprietário da papelaria Shop Tudo, também na região central, Lucas Fernandes, 32 anos, diz que quando surgiu o Pix, aceitavam a transferência pelo CNPJ da empresa e sempre conferiam os pagamentos. Mas mesmo com todo o cuidado, levaram calote de clientes pelo menos duas vezes.

Agora no balcão de atendimento é somente no QR Code, tanto para evitar golpes quanto para agilizar o processo. Aqui na frente só liberamos a compra se subir o comprovante na maquininha”, frisa o empresário.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade


A proprietária da loja de roupas infantis Planeta Baby, localizada na Rua 14 de Julho, Kadija Akra, 24 anos, diz que está ciente de como os golpistas agem, por isso, a atenção é redobrada na hora de receber um pagamento via transferência bancária. “Sempre que fazem o Pix, a gente confere antes. Tem gente que não gosta, mas a gente sempre faz. Tem gente que agenda o Pix e depois cancela, ou até mesmo mandam comprovante falso”.

Notas falsas - A gerente da Prisma Cosméticos, Vanessa Alves, diz que pelo menos uma vez por mês um cliente desavisado tenta passar uma nota falsa na loja. Para evitar o problema, os funcionários que trabalham no caixa são orientados a utilizarem a caneta que detecta notas falsas. “Na maioria das vezes, os clientes falam que nem sabiam que era uma nota falsa”, diz.

A gerente da loja de utilidades Mateplass, Taine Rodrigues, diz que passa pelo mesmo problema. “É bastante frequente a nota falsa, mas detectam pela caneta, o Pix também é feito pelo QR Code”, explica.

Gerente da loja de cosméticos, Vanessa diz que pelo menos uma vez no mês aparecem clientes com notas falsas (Foto: Henrique Kawaminami)
Gerente da loja de cosméticos, Vanessa diz que pelo menos uma vez no mês aparecem clientes com notas falsas (Foto: Henrique Kawaminami)

Pequenos furtos - Apesar de precisarem ficar de olhos abertos com a tentativa dos "espertinhos" de levar vantagem, Lucas Fernandes relata que o prejuízo principal da loja ainda são os pequenos furtos, principalmente de materiais pequenos, como canetas e lápis de cor. “A gente já trabalha com uma margem de prejuízo pensando nessas perdas e pequenos furtos”.

A gerente da loja de utilidades Mateplass, Taine Rodrigues, não chegou a cair no golpe do Pix. A maior “dor de cabeça” da comerciante é causada também pelos furtos. “O que a gente mais sofre é com pequenos furtos. Furtos de caneta, canecas. Não registramos B.O porque é muito demorado e não tem como identificar a pessoa, tem muitos pontos cegos na loja, e por ser grande e ter fluxo grande de pessoas, nem sempre dá pra impedir todos os furtos”.

Em lojas de papelaria, furto de canetas e lápis são frequentes, segundo relato de comerciantes (Foto: Henrique Kawaminami)
Em lojas de papelaria, furto de canetas e lápis são frequentes, segundo relato de comerciantes (Foto: Henrique Kawaminami)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias