ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, DOMINGO  27    CAMPO GRANDE 33º

Capital

No enterro de vítima da covid, neta descobre que restos mortais de avô "sumiram"

Família só soube que parente não estava mais sepultado em jazigo pago quando a viúva foi ser sepultada ao lado dele

Por Izabela Sanchez | 12/08/2020 12:58
Jazigo onde Gertrudes seria enterrada, com placas de desconhecidas, no Cemitério Memorial Park em Campo Grande (Foto: Divulgação)
Jazigo onde Gertrudes seria enterrada, com placas de desconhecidas, no Cemitério Memorial Park em Campo Grande (Foto: Divulgação)

A família de Gertrudes Santana, que faleceu na sexta-feira (7) aos 82, vítima da covid-19 em Campo Grande, diz que vai processar o Cemitério Memorial Park. Eles acusam a empresa de ter exumado o corpo de Nelson Marciano Santana, enterrado em 2011, sem autorização, e ter sepultado os restos mortais de duas mulheres que elas não conhecem no jazigo.

Quem relata a história é a técnica em enfermagem Kelly de Oliveira dos Santos, 33, neta de Gertrudes. Ela conta que a mãe, Maria de Fátima da Silva Santana, de 53 anos, já acionou advogada.

Kelly conta que a família tem convênio com a empresa funerária há quase 40 anos, contrato que era de Nelson e que passou às filhas depois que ele faleceu. A neta cita que a mãe dela precisou regularizar os pagamentos após período de inadimplência quando o convênio estava em nome da irmã de Maria de Fátima.

A técnica em enfermagem diz que a funerária também não tem registro dos procedimentos de exumação do corpo de Nelson e dizem não saber onde estão os restos mortais do avô.

Kelly contou que a avó sentiu-se mal na quinta-feira (6), foi levada a um posto de saúde no Bairro Coophavilla e em seguida, transferida ao Hospital Regional Rosa Pedrossian, referência no atendimento a pacientes com a covid-19, onde faleceu na sexta-feira (7).

“Meu avô era titular, pagou anos e anos. E aí como ela [tia] atrasou o pagamento, minha mãe acertou. Mesmo se for pra exumar eles têm que avisar, até o momento não tinha nada. Não tinham comunicado que tinham exumado”, diz Kelly, completando que a família “não autorizou nada”.

“A gente já não pode fazer o velório da minha vó e quando não acharam o corpo do meu avô, foram dois enterros pra gente. Não entraram em contato [cemitério], falaram que iam entrar em contato na segunda. A gente já foi atrás da advogada, vamos entrar com processo. Do mesmo jeito que aconteceu com a gente pode acontecer com outras famílias”, relata.

Kelly mostrou para a reportagem uma ata do cemitério sobre o ato do enterro de Gertrudes. O documento cita que a família queria enterrá-la ao lado de Nelson, sepultado em jazigo “de duas gavetas no sistema galeria”. “Ao abrir foi verificado pelos sepultadores que tanto na gaveta 1, quanto na gaveta 2 estavam sepultadas outras pessoas do sexo feminino, sendo assim, não foi realizado o procedimento de exumação”.

O documento oficial informa que o enterro da idosa ocorreu às 11h39 de sábado (8).

Nem os sepultadores sabiam que tinha acontecido, conforme ata do dia do enterro (Foto: Divulgação)
Nem os sepultadores sabiam que tinha acontecido, conforme ata do dia do enterro (Foto: Divulgação)

Acusação – Advogada constituída pela família, Etila Guedes, explica que Maria de Fátima tem toda a documentação que comprova a acusação. Ela cita que no dia 3 de maio de 2018, sem saber que havia inadimplência por parte da irmã, Maria de Fátima recebeu comunicado do Memorial Park informando que o corpo de Nelson seria exumado por falta de pagamento.

Etila explica, ainda assim, que já no dia 14 de maio de 2018, conforme documentação, a cliente foi até a administração, quitou a dívida de cerca de R$ 2,4 mil e foi comunicada na mesma hora de que o procedimento seria cancelado e, conforme pediu ao cemitério, o corpo de Nelson continuaria no mesmo jazigo.

O contrato da família é com a Pax Real e o transtorno, segundo Etila, é maior porque Nelson foi um dos primeiros funcionários da empresa. A advogada diz que nem a funerária foi comunicada da exumação.

“Ela ficou tranquila, continuou pagando em dia, tem todos os comprovantes. Na sexta estava ok, para a Pax estava tudo certo. Ela até pagou os R$ 800 da exumação do corpo do pai porque para ela o pai nunca havia saído de lá. Mas não foi isso que aconteceu”.

“Temos documento de que no dia 14 de maio de 2018 ela fez a quitação e resolveu o problema. Está documentado que o corpo continuaria lá e não haveria exumação”, afirma a advogada.

Outro lado -  Procurado, o cemitério enviou nota. A administração cita que o corpo foi exumado com autorização da titular “à época” e realizado “devido a uma questão contratual”.

A empresa diz que no sábado (8), por se tratar de dia não comercial e estar voltada ao aumento de demanda e exclusivamente aos sepultamentos, além da “imprevisibilidade da atual situação de pandemia”, não houve tempo de “fazer a remoção dos restos mortais do local de exumação para o jazigo onde foi sepultado a idosa”.

“Assim que for possível, dentro de um cronograma adaptado para esse novo momento de altíssima demanda devido à covid-19, em que se dará a preferência aos sepultamentos, nossa equipe fará a remoção”, afirma a nota da empresa, que é assinada pela assessoria de imprensa.

A reportagem também procurou a Pax Real, mas não foi possível obter posicionamento até a conclusão da reportagem.

Regras de comentário