ACOMPANHE-NOS    
MAIO, DOMINGO  22    CAMPO GRANDE 15º

Capital

Nova regra deve ampliar em 1% número doadores de sangue em MS

Por Luciana Brazil | 13/11/2013 11:58
Doações devem aumentar em apenas 1% no Estado. (Fotos: Cleber Gellio)
Doações devem aumentar em apenas 1% no Estado. (Fotos: Cleber Gellio)

Com a ampliação da idade máxima para doar sangue no Brasil, que passou de 67 para 69 anos, o Hemosul em Campo Grande deve expandir em apenas 1% o número de doadores no Estado.

Apesar de benéfica, a portaria, divulgada ontem (12) pelo Ministério da Saúde, deve contemplar no Estado, em especial, a população já doadora, conforme explicou a diretora geral do centro, Eliana Dalla Nora.

“Essa mudança vem para contemplar quem já é doador. Os que fazem 68 anos ficam frustrados porque não vão mais poder doar. Essa ampliação vai beneficiar essas pessoas”, explicou.

Ainda segundo a diretora, as exigências para doação também contribuem na definição do pequeno percentual de 1%. “Quem doa não pode ser hipertenso, ser diabético, não pode tomar nenhuma medicação, ter problemas respiratórios e é preciso ser saudável”, aponta Eliana. Com isso, o número de doadores nesta faixa etária fica reduzido.

Em cidades como Curitiba e Porto Alegre, onde é grande o número de idosos, o impacto nas doações será significativo com a nova medida.

Eliana explica que o aumento será pouco, mas importante.
Eliana explica que o aumento será pouco, mas importante.
Testes de Ácido Nucléico são feitos em uma sala especial onde estão os equipamentos.
Testes de Ácido Nucléico são feitos em uma sala especial onde estão os equipamentos.

Existem no Estado cerca de 150 mil doadores, sendo cinco mil deles com idade entre 60 e 67 anos. Com a portaria do Ministério da Saúde, o Estado terá cerca de mil doadores a mais, cerca de 1% da faixa etária.

“É pouco, mas vai ser importante para os que podem e querem doar”, ressalta Eliana.

Exame: Outra mudança entra em vigor com a nova portaria. Agora, todo sangue coletado no país deverá passar obrigatoriamente pelo exame NAT, sigla em inglês para Teste de Ácido Nucléico.

O exame diminui a janela imunológica para o diagnostico do HIV e da hepatite C para doadores. O Hemosul em Campo Grande já realiza o teste desde março.

Antes, a janela imunológica, que identifica o vírus, era de mais de um mês para a hepatite C e de mais de 20 dias para o teste de HIV. Utilizando a tecnologia avançada do teste, a janela diminui passando para 10 dias no caso do HIV e para 12 dias no caso da hepatite C. O exame garante maior segurança transfuncional para os pacientes.

Com equipamentos caros, concedidos pelo Ministério da Saúde, o DNA é ampliado e a doença diagnosticada mais rapidamente. Os aparelhos ficam isolados em uma sala onde é feito o exame.

“É importante salientar que o Hemosul não realiza exames para detectar essas doenças. Quem vem doar, deve vir com a ideia de um ato voluntário e não para saber se tem alguma doença”.

Apesar da ressalva, Eliana diz que apenas 3% dos que doam sangue são barrados por causa de uma dessas doenças.

Geraldo gosta da mudança, já que pretende doar até quando a lei permitir.
Geraldo gosta da mudança, já que pretende doar até quando a lei permitir.

16 para 18 anos: Há quase um ano, a idade mínima para doação foi alterada de 18 para 16 anos. Com essa portaria, o impacto em Mato Grosso do Sul foi significativo em relação ao número de doadores. “O nosso Estado é um estado jovem. Quando houve a alteração o impacto foi grande”, disse Eliana.

Diariamente são feitas 150 doações de sangue no Hemosul. "O ideal é que fizessemos 180, 200 doações diárias".

Há 30 anos, Geraldo Guenka, 52, doa sangue voluntariamente. A solidariedade começou quando Geraldo precisou ajudar um amigo, e desde então, o funcionário público doa sangue com frequência. "Enquanto eu tiver condições de saúde, não tenho por que parar", garantiu ele.

Brasil: Atualmente, são coletadas no Brasil 3,6 milhões de bolsas por ano, o que corresponde ao índice de 1,8%. Embora o percentual esteja dentro dos parâmetros da OMS, o Ministério da Saúde trabalha para chegar ao índice de 3%.

Com a expansão das idades mínima e máxima dos doadores, houve a abertura para 8,7 milhões novos voluntários.

Atualmente, 75% da coleta de sangue no país é feita na rede pública e 25%, na rede privada. Os hemocentros de todo o país terão 90 dias para se adequar às novas regras, que serão fiscalizadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Nos siga no Google Notícias