A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

08/03/2012 16:20

O desabafo das mulheres que cederam ao "dinheiro fácil" do tráfico

Viviane Oliveira

Do total de 330 internas do presídio feminino de Campo Grande, 292 respondem processo ou já foram condenadas após terem sido pegas com entorpecentes

O defensor público Paulo Henrique Paixão tirou algumas dúvidas das presidiárias e aproveitou a data para falar da resolução do Senado que oficializou uma nova legislação. (Foto: Viviane Oliveira)O defensor público Paulo Henrique Paixão tirou algumas dúvidas das presidiárias e aproveitou a data para falar da resolução do Senado que oficializou uma nova legislação. (Foto: Viviane Oliveira)

De um universo de 330 detentas que cumprem pena no presídio feminino Irmã Irma Zorzi, em Campo Grande, 292 cumpre pena por tráfico de drogas, ou seja 88,5%.

Os motivos apontados são vários, desde a simples falta de dinheiro até envolvimento por causa do marido.

Geisy Aparecida Lopes, 32 anos, foi presa quando carregava 56 cápsulas de pasta base de cocaína. Mãe de seis filhos, ela conta que entrou no mundo do tráfico por necessidade. “Hoje vejo que não vale à pena. Perdi quatro anos da minha vida por causa de uma burrada no passado”, lamenta.

Geisy morava em Brasilândia, quando passou a atuar como “mula” do tráfico. Ela pegou a droga em Corumbá e levaria até Água Clara, onde ganharia R$ 20 por cada cápsula. “Fui presa em Miranda, não ganhei nada e fui condenada há 9 anos e seis meses por tráfico de drogas e vício”, disse, durante evento no presídio em comemoração ao dia da Mulher.

Na manhã de hoje as detentas tiveram a oportunidade de tirar algumas dúvidas com a defensoria pública para saber o andamento dos processos, e palestra com o grupo Seicho-no-ei do Brasil.

O defensor público Paulo Henrique Paixão tirou algumas dúvidas das presidiárias e aproveitou a data para falar da resolução do Senado que oficializou uma nova legislação, já definida pelo STF (Supremo Tribunal Federal), que permite a pena privativa de liberdade por restritiva de direitos.

Em vez de cadeia, a pessoa presa com pequena quantidade de droga pode ser punida com pagamento de multa, prestação de serviços à comunidade e interdição temporária de direitos. Com a publicação, a nova leitura da lei pode retroagir para beneficiar os já presos.

Nilza Peres Domingos, 37 anos, presa por tráfico de drogas, foi uma das que aproveitou para esclarecer as dúvidas.

"Fui presa uma vez por tráfico de drogas e agora voltei por quebra do semi-aberto. Se Deus quiser daqui quatro meses saio do presídio para uma nova vida em Três Lagoas ao lado dos meus quatro filhos”, afirma.

Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...
Problema rotineiro, chuva causa alagamentos no bairro Cidade Morena
A chuva que atingiu Campo Grande no fim da tarde deste domingo (17) causou vários problemas à população, desde alagamentos a problemas estruturais em...


Eu desejo responder a leitora Ana Flávia, O defensor Paulo Paixão só estava conversando com as intenas do Presídio Irmã Irma Zorzi pela grade, porque as normas do presidio não permitem palestras de outra forma, e não é uma norma só deste presídio mas sim de todos no país, mas ele deu atenção todas que perguntavam alguma coisa. Eu estava lá e observei bem a atitude respeitosa dele com internas.
 
Carlos Almeida em 09/03/2012 10:32:46
ISSO OCORRE PORQUÊ, A JUVENTUDE NÃO QUER OUVIR PAI E MÃE, E TEM CERTAS MÃES QUE ESCONDE ERROS DE FILHOS, FILHOS ÚNICO QUE AMA VOCÊS DE VERDADE É O PAI, PORQUE MESMO ELE ERRADO CORRIGE O FILHO PARA NÃO ERRAR, E MÃES ESCONDEM, PORTANTO MÃES, NÃO ASSUMAM OS FILHOS, DEIXEM PARA OS PAIS, PARA NÃO ERRAREM AMANHÃ, JUNTAMENTE COM OS FILHOS, E AÍ É QUASE TARDE DEMAIS, MAS DEUS É BOM, PROCUREM DEUS.
 
PEDRO BRAGA em 09/03/2012 09:17:48
Fiquei muito feliz com os palestrantes da Seicho no ie,não conhecia a filosofia deles a preletora Edi Lamar foi muito importante em sua palavras,de otimismo e positividade essa mulheres presisavam ouvir algo que as confortasem.Parabéns a Seicho no ie.
 
Totonho Vilella em 09/03/2012 08:08:50
Olha a foto acima mostra a coragem desse defensor público.... protegido por um alambrado e falando com as internas... pelo amor de Deus, ainda se diz defensor.... coragem homem, encara as internas de peito aberto, principalmente no dia das mulheres
 
ana flavia em 09/03/2012 08:04:23
Agradeço pelas palavras do Sr. Totonho Villela, por ter compreendido a mensagem de Amor da Seicho-No-Ie, positiva, por nos ensinar a Verdade Homem Filho de Deus. E o
Pai não julga, mas ama incondicionalmente os Seus Filhos. Muito obrigada!
 
Edi Lamar Biacchi Adames em 09/03/2012 06:00:37
Todas elas dizem a mesma coisa enquanto encarceradas, "quando sair daqui mudarei de vida", mas uma grande maioria retornam pra cadeia em menos de 1 ano. Motivo: 1- Quem é que vai querer enfrentar onibus lotados, acordar de madrugada com chuva ou sol e ganhar um salario de miseria que é espremido para durar o mes todo, 2- As proprias leis criminais incentivam a criminalidade e sua reinscidencia.
 
luci Santos em 08/03/2012 10:07:10
A finalidade da pena, é de dar o exemplo para que outros não façam e para quem cumpri a pena é refletir, para que não volte a fazer ou achar que transgredir regras da sociedade e ficar impune.
Lamentável o projeto de lei que está em estudo de penas alternativas para os ditos mulas. Isto é sim falta de vergonha de políticos populistas que ao invés de construir presídios ficam com discursos demagógi
 
danilo magno em 08/03/2012 09:40:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions