ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Otero confessa, mas não entrega nomes de 10 políticos no esquema

Ricardo Campos Jr. | 27/04/2015 16:16
Fabiano prestou depoimento na Depca nesta segunda (Foto: Marcelo Calazans)
Fabiano prestou depoimento na Depca nesta segunda (Foto: Marcelo Calazans)

O depoimento de Fabiano Otero Viana, suspeito de integrar esquema de extorsão e exploração sexual de menores, não acrescentou novidades ao caso. Segundo o delegado responsável pelo caso na Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), Paulo Sérgio Lauretto, ele confessou o agencimento de meninas para políticos e empresários, mas não revelou novos nomes. Segundo o advogado, Amilton Ferreira, ele deverá revelar nomes de 10 pessoas, sendo a maioria políticos, em possível delação premiada.

Com isso, conforme o delegado, o caso será fechado e encaminhado ao MPE (Ministério Público Estadual), encarregado de denunciar os envolvidos à Justiça.

Fabiano confirmou o recebimento do dinheiro e a participação do ex-vereador Robson Martins e o empresário Luciano Roberto Pageu no crime. Futuramente, se realmente for concedido o benefício da delação premiada ao preso, ele terá que apresentar dados que realmente incrementem o inquérito.

“Não basta chegar aqui e contar o que a gente já sabe. Ele terá que trazer outros fatos”, diz Lauretto. Até o momento, apenas o envolvimento do vereador Alceu Bueno (PSL) e do ex-deputado estadual Sérgio Assis (PSB) em encontros sexuais com adolescentes é conhecido.

Lista – Fabiano foi preso na casa da mãe por força de ordem judicial neste domingo (26), no bairro Santa Emília. Ao chegar à Depca para depor, o advogado dele, Amilton Ferreira, disse que o cliente apresentaria uma relação com dez novos nomes de pessoas que também estariam envolvidas no esquema, a maioria delas, vítima.

“Fica a cargo do delegado separar o joio do trigo”, explicou o advogado. Ele explica que por meio de perfis falsos em redes sociais, outras pessoas se passavam pelas adolescentes aliciadas e tentavam contato com os políticos. Muitos deles nem respondiam já imaginando que se tratava de algo ilícito, enquanto que outros chegaram até a estender a conversa.

O caso – O esquema passou a ser desvendado pela polícia a partir de um Boletim de Ocorrência, registrado pela mãe de uma das adolescentes, em Coxim. A menor foi encontrada dia 23 de março na casa de Fabiano, com outra menina de 15 anos, que revelou tudo a uma conselheira tutelar. Segundo a adolescente, ela saiu com o Alceu Bueno dias 21 e 22 de março.

Fabiano e Luciano teriam intermediado o encontro sexual que foi gravado. De posse das imagens, o grupo passou a extorquir o vereador para que o caso não se tornasse público. Cansado das chantagens e alegando inocência, Bueno denunciou às autoridades que prenderam Robson e Luciano enquanto eles recebiam R$ 15 mil junto ao vereador. Informações da polícia apontam que antes, a dupla já havia faturado cerca de R$ 100 mil com o esquema.

Nos siga no Google Notícias