A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

20/06/2016 10:05

Pacientes denunciam falta de remédios básicos em postos de saúde

Fernanda Mathias
Na Recromasul, medicamentos usados por renais crônicos não chegam há pelo menos 03 meses, diz a presidente, Maura. Usuários de postos também reclamam  (Foto:Alcides Neto)Na Recromasul, medicamentos usados por renais crônicos não chegam há pelo menos 03 meses, diz a presidente, Maura. Usuários de postos também reclamam (Foto:Alcides Neto)

Usuários de unidades de saúde de Campo Grande apontam falta desde medicamentos básicos, como usados no tratamento da pressão arterial e colesterol, até outros mais específicos, como antibióticos. A reclamação é recorrente, cada vez que o assunto saúde surge em pauta.

Pelas redes sociais, a população reclama: “Não tem antibiótico em nenhum posto da rede pública”, diz um leitor do Campo Grande News no Facebook. Outro desabafa: “Não mesmo, eu gastei quase 300 (reais) de medicação e não só antibióticos não, até medicações simples estão em falta”.

Na Recromasul (Associação dos Renais Crônicos e Transplantados), a informação é de que há pelo menos três meses não são repassados medicamentos retirados no local pelos cerca de 300 renais atendidos e nos postos também não há disponibilidade.

“Eu mesma estou gastando em média R$ 100,00 por mês”, diz a presidente da associação, Maura Jorge Souza Trindade. Um gasto que pesa no orçamento, a aposentadoria de apenas um salário mínimo.

Dentre os medicamentos que, segundo ela, não são encontrados nos postos estão: furosemida, sinvastatina e losartan. Complexo B e ácido fólico, que também estariam em falta,foram repostos.

O secretário municipal de Saúde, Ivandro Fonseca, nega que haja falta generalizada de remédios nos postos. “Temos alguns medicamentos em falta por falta de matéria prima, alguns que foram suspensos pela Vigilância e que refletem diretamente na assistência e quando há deserto no processo licitatório”. Ivandro diz, ainda, que trata-se de “ano atípico”, em que os casos de H1N1 refletiram diretamente no estoque de medicamentos.



É uma vergonha para nós ver pessoas chorando nas farmácias dos postos pedindo pelo amor de Deus e até dinheiro aos que estão no posto para comprar remédios tarja preta, pessoas mais velhas totalmente dependentes de remédios.
No meu ponto de vista a política quer que dependentes de remédios vá morrendo aos poucos, será menos uma despesa para eles. Mas, infelizmente ninguém toma remédio porque quer. É muito triste isto!
 
Claudia Marcio Azevedo Félix em 09/03/2017 11:36:46
O secretário municipal de Saúde, Ivandro Costa, nega que haja falta generalizada de remédios nos postos. “Temos alguns medicamentos em falta por falta de matéria prima, alguns que foram suspensos pela Vigilância" Esse secretario aprendeu com o Prefeito incompetente Alcides Bernal a por a culpa em alguém! Campo Grande esta abandonada.
 
Beto em 20/06/2016 10:42:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions