ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Para especialista, campanhas são eficazes para mudar comportamento no trânsito

Mariana Lopes | 18/09/2013 12:43
Cortella chamou a atenção dos jovens e professores para o respeito às leis de trânsito (Foto: Cleber Gellio)
Cortella chamou a atenção dos jovens e professores para o respeito às leis de trânsito (Foto: Cleber Gellio)

Esperança. Esta foi uma das palavras em destaque na palestra do filósofo e especialista em trânsito Mário Sérgio Cortella, ministrada na manhã desta quarta-feira (18), no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, em Campo Grande, sobre a violência no trânsito, causada principalmente por condutores alcoolizados.

De acordo com os dados do Detran (Departamento Estadual de Trânsito), de janeiro a agosto deste ano, foram 160 acidentes na Capital provocados por motoristas que ingeriram bebidas alcoólicas antes de dirigir. Deste total, 74 tiveram vítimas com ferimentos e 2 resultaram em morte.

Contudo, o filósofo afirmou que não é impossível uma mudança de comportamento dos condutores, principalmente dos jovens, que era o público alvo do palestrante no evento de hoje. "Antigamente, o cinto não era obrigatório, depois passou a ser lei, e agora as pessoas já usam inconscientemente, foi uma mudança cultural", avaliou Cortella.

De maneira bem descontraída e reflexiva, Cortella chamou a atenção dos participantes em ponderar a frase que diz “tudo me é permitido, mas nem tudo me convém”, citando a passagem bíblica. “A vida é feita de escolhas, mas precisamos estar conscientes das consequências delas”, frisou o palestrante.

Ele ainda amarrou a palestra pontuando a responsabilidade de pais e professores no papel de formadores da educação dos jovens, antes mesmo de eles atingirem a maioridade para poder dirigir. "Precisamos oferecer critérios aos jovens", disse Cortella.

Ponto de vista que a professora de geografia Analice Talgatti, 42 anos, concorda. “Se trabalharmos as regras com os jovens, fazendo-os entender e conviver com elas na sociedade, quando começarem a dirigir será mais fácil respeitar e assimilar as leis de trânsito”, opina a professora.

Resultado – Segundo o comandante da Ciptran, coronel Alírio Vilassanti, o número de vítimas fatais em acidentes de trânsito em Campo Grande reduziu 12.5% se comparado ao mesmo período de janeiro a agosto do ano passado.

Para o comandante, este resultado está atrelado às campanhas que fomentam a consciência dos motoristas de respeitar as leis de trânsito.

Nos siga no Google Notícias