ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SÁBADO  08    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Polícia investiga envolvimento de travesti no assassinato de vendedor

Valério foi encontrado dentro do próprio carro, com pelo menos 14 ferimentos causados por faca

Por Geisy Garnes e Clayton Neves | 22/04/2019 16:59
Corpo do vendedor foi encontrado dentro do carro, na manhã de quinta-feira (Foto: Henrique Kawaminami)
Corpo do vendedor foi encontrado dentro do carro, na manhã de quinta-feira (Foto: Henrique Kawaminami)

A Polícia Civil investiga o envolvimento de uma travesti no assassinato do vendedor Valério Encina, de 47 anos, encontrado ferido com pelo menos 14 facadas dentro do próprio carro, na manhã de quinta-feira (18), na Rua Clineu da Costa Moraes – Bairro Jardim Leblon, em Campo Grande.

Ao Campo Grande News, o delegado Edemilson José Holler, da 6ª Delegacia de Polícia Civil, explicou que uma das linhas de investigação é a de que Valério foi esfaqueado durante desentendimento com uma travesti da região.

Informações preliminares apontam que depois de sair de casa, por volta das 4 horas, Valério passou em uma farmácia para comprar remédio e em seguida foi até ao local conhecido como ponto para as travestis. Ali, teria tentado negociar um programa com uma delas. A conversa, no entanto, terminou com o esfaqueamento.

“Essa é nossa principal suspeita. As equipes estão na rua na tentativa de encontrar a travesti”, detalhou o delegado. A suspeita foi identificada pelo apelido. Ainda conforme Holler, o boletim de ocorrência, com o relatório da perícia e os depoimentos feitos pela polícia no dia do crime, ainda não chegou à delegacia.

Com as informações do relatório, o delegado afirma que irá definir o crime. “Se algo foi roubado da vítima o caso pode ser tratado como latrocínio, roubo seguido de morte. Ainda investigamos a possibilidade de crime passional. Apesar de acreditar que a suspeita não tinha ligação com vítima”, explicou.

Laudos e vídeos – O delegado afirmou ainda que espera o laudo que irá comprovar se a faca encontrada pela Polícia Militar, a cerca de 400 metros do carro em que o corpo de Valério, de fato foi usada no crime e também os exames necroscópicos.

Até o momento, duas imagens de câmeras de segurança somam a investigação: a do momento me que ele entra na farmácia e pouco depois, quando invade a calçada da Rua Clineu da Costa Moraes e atinge o muro de uma residência. Para a polícia, ele já estava ferido e em busca de socorro quando sofreu o acidente.

O acidente teria acontecido às 4h08, mas o corpo foi encontrado por motorista de aplicativo que passava pela rua e viu o carro horas depois.