ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  10    CAMPO GRANDE 10º

Capital

Policiais do Batalhão de Choque são proibidos de atuar em bairros da Capital

Militares foram denunciados pelos crimes de tortura, injúria, violação de domicílio e lesão corporal após ação

Por Jhefferson Gamarra e Aline dos Santos | 22/06/2022 14:33
Viatura com policiais do Batalhão de Choque saindo em diligências na Capital (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Viatura com policiais do Batalhão de Choque saindo em diligências na Capital (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

Quatro policiais militares do Batalhão de Choque de Campo Grande estão proibidos de realizar policiamento na região oeste da Capital, que compreende os bairros Jardim Aeroporto e Vila Popular. A proibição foi determinada pelo juiz titular da Auditoria Militar, após uma ação considerada truculenta. Os militares foram denunciados pelos crimes de tortura, injúria, violação de domicílio e lesão corporal.

As vitimas das agressões denunciaram o caso ao MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), que inclusive queria a prisão dos policiais envolvidos. A ação está em tramitação na Vara da Justiça Militar, onde juiz Alexandre Antunes de Oliveira indeferiu o pedido de prisão cautelar dos policiais investigados, porém impôs regras alternativas.

Dentre as medidas cautelares, está a proibição para os 4 servidores do Batalhão de Choque de se aproximarem das vitimas, seus familiares e das testemunhas do caso, no limite mínimo de 500 metros. Eles também estão proibidos de manter contato com todos os citados por qualquer meio de comunicação.

Fora a aproximação e contato com as vitimas, os militares estão proibidos de tirar serviço nas áreas de atuação compreendidas pelas residências das vítimas e testemunhas do caso.

De acordo com o Tribunal de Justiça, “como a situação limita-se a apenas 4 policiais e envolve pessoas específicas da comunidade que são ofendidos ou testemunhas desta ação, logo, torna-se evidente que a decisão não é capaz de causar um impacto significativo no policiamento da região”.

O tenente-coronel Augusto Pereira, chefe da assessoria de comunicação social da PM, confirmou a decisão envolvendo os militares e frisou que a decisão não compromete o trabalho realizado pela corporação.

“Não existe proibição do Choque fazer policiamento. A decisão judicial diz respeito aos quatro policiais militares que participaram da ocorrência que ensejou no pedido do MP. Não tem relação com o policiamento executado pela Polícia Militar. O policiamento continua sendo realizado na região normalmente”, apaziguou o coronel.

Nos siga no Google Notícias