ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUINTA  30    CAMPO GRANDE 16º

Capital

Policiais se mobilizam contra a proposta de reforma administrativa federal

Categorias da segurança pública alegam que proposta prejudicará a prestação de serviços públicos à sociedade

Por Jhefferson Gamarra e Ana Paula Chuva | 23/06/2021 14:48
Categorias com cartazes contrários a PEC que tramita no Congresso Nacional (Foto: Paulo Francis)
Categorias com cartazes contrários a PEC que tramita no Congresso Nacional (Foto: Paulo Francis)

Diversas categorias da segurança pública de Mato Grosso Sul aderiram à mobilização nacional contra o projeto que reformula as regras do serviço público, chamada de PEC 32, e foram para a rua nesta quarta-feira (23), em Campo Grande. Policiais Civis, Federais, Rodoviários e Penais participam do ato.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20, do Poder Executivo, altera dispositivos sobre servidores e empregados públicos e modifica a organização da administração pública direta e indireta da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. A nova proposta altera 27 trechos da Constituição e introduz 87 novos. As principais medidas questionadas na PEC tratam da contratação, da remuneração e do desligamento de pessoal.

Agentes da Policia Federal alegam que proposta irá detruir a instituição (Foto: Paulo Francis)
Agentes da Policia Federal alegam que proposta irá detruir a instituição (Foto: Paulo Francis)

Segundo o presidente do Sinpef-MS (Sindicato dos Policiais Federais em Mato Grosso do Sul), Leonardo Corniglion, a proposta possui pontos problemáticos e afronta o funcionalismo público.

“Essa proposta é um escárnio contra o serviço publico de uma forma geral, mas principalmente contra a população brasileira. O serviço publica garante que a população não será vítima de abusos e a PEC quer destruir esse trabalho”, lamentou.

De acordo com o presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis de MS), Giancarlo Miranda, o texto da PEC não apresenta características de uma reforma administrativa e visa apenas prejudicar o funcionalismo. “Isso não se trata de uma reforma administrativa, a proposta doí em todo o serviço público, todo mundo acaba sendo prejudicado com isso. Esperamos que ela seja rejeitada no Congresso Nacional”, disse.

“Nossa posição é contraria a essa PEC que acaba com o serviço público. Precisamos nos unir cada vez mais contra esses desmandos em nível federal”, resumiu Gilberto Artero Ramos, vice-presidente da Associação dos Escrivães de Polícia Judiciária de Mato Grosso do Sul.

A manifestação que teve início em frente a Casa Mulher Brasileira, reuniu cerca de 60 veículos que seguirão em carreta até a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, no Parque dos Poderes.

Carreata na Avenida Duque de Caxias que seguirá até o Parque dos Poderes (Foto: Paulo Francis)
Carreata na Avenida Duque de Caxias que seguirá até o Parque dos Poderes (Foto: Paulo Francis)


Nos siga no Google Notícias