A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Janeiro de 2019

07/10/2015 14:40

Por 8 a 3 votos, TJ considera ilegal greve dos professores da Capital

Edivaldo Bitencourt e Ricardo Campos Jr.
Barrados na portaria, professores tiveram derrota na sessão de hoje do TJ (Foto: Divulgação)Barrados na portaria, professores tiveram derrota na sessão de hoje do TJ (Foto: Divulgação)

O Órgão Especial do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) considerou ilegal a greve dos professores das escolas públicas municipais da Capital. Por 8 votos a 3, os desembargadores acataram pedido feito pela Prefeitura Municipal de Campo Grande e mantiveram a multa dos docentes, que cruzaram os braços pelo reajuste de 13,01% de 25 de maio a 25 de agosto deste ano.

Com a decisão, o prefeito Alcides Bernal (PP) ganha força na negociação com a categoria e deve postergar a concessão do aumento de 13,01% no piso do magistério da Reme (Rede Municipal de Educação). Ele tinha decidido aguardar a decisão da Justiça para voltar a conversar sobre o reajuste com a ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública).

O TJ concluiu o julgamento da ação impetrada pelo então prefeito Gilmar Olarte (PP). No entanto, logo após assumir o comando do município, Bernal manteve o processo em que a prefeitura pede a declaração da greve como ilegal.
Segundo o advogado da ACP, Ronaldo Franco, a entidade vai recorrer contra a decisão do Órgão Especial.

O início da sessão de hoje foi marcado por protesto dos professores, que foram barrados na portaria do Tribunal de Justiça. O órgão só permitiu o acesso de 20 representantes da categoria. Cerca de 40 foram acompanharam a sessão do lado de fora do prédio.

Para a professora Luciana Fortes, 37 anos, uma das pessoas barradas, a restrição ocorreu porque o resultado seria desfavorável à categoria.

Por meio da assessoria de imprensa, o Tribunal de Justiça confirmou a restrição no acesso ao plenário. A corte justificou a medida porque houve tumulto no primeiro julgamento, quando os desembargadores já manifestavam-se favoráveis à prefeitura.

A greve deixou os alunos da rede pública sem aulas por 54 dias úteis. A reposição ainda está sendo definida pela Semed (Secretaria Municipal de Educação). A secretária Leila Machado quer dar 20 dias como perdidos, reduzindo-se o número de dias letivos de 200 para 180. No entanto, a medida ainda depende do Ministério da Educação e do Conselho Municipal de Educação.

Homem sobre o efeito de drogas é encontrado esfaqueado em rua do Guanadi
Um rapaz, de 25 anos, foi parar na Santa Casa de Campo Grande depois de ser esfaqueado na Rua Jussara, no Bairro Guanandi por volta das 22h desta sex...
Dupla é presa ao ser flagrada pichando pista de skate da Orla Morena
Dois jovens, ambos de 21 anos, foram parar na delegacia na tarde desta sexta-feira (18) ao serem flagrados com droga e pichando a pista de skate da O...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions