A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

21/02/2011 13:43

Piscina em área de comodato vira motivo de briga em família e será destruída pelo dono

Ricardo Campos Jr.

Parentes excluidos do "luxo" reclamam da irregularidade

Morador diz que piscina é única opção de lazer. (Foto: João Garrigó)Morador diz que piscina é única opção de lazer. (Foto: João Garrigó)

A exploração de uma área de comodato localizada na avenida Guaicurus, perto da saída para São Paulo, virou motivo de briga. O alvo é uma piscina usada como local de lazer particular. Depois de muita pressão, o dono garante que resolveu destruí-la.

O terreno é cedido pela prefeitura por tempo determinado para que as famílias que nele residem utilizem a área em prol do interesse coletivo, como plantio e criação de animais para consumo. Desta forma, não é permitida edificações contrárias a esses objetivos.

O eletricista Antônio Bonifácio Martins, 59 anos, que tem um filho com deficiência, afirma que instalou a piscina porque não tinha condições de encaminhar o garoto para exercícios de fisioterapia constantemente e, para tanto, desembolsou R$ 15 mil com os materiais para construir a piscina. Atualmente, ele divide o terreno com dois irmãos por parte de pai: Marina Martins e Valmir de Albuquerque.

Aos fundos do comodato, perto do córrego que passa no local, existe uma casa atualmente desocupada com uma pequena varanda e churrasqueira, que junto com a piscina forma a área de lazer em questão.

O Campo Grande News esteve no terreno pela manhã. A impressão é que não é utilizado há algum tempo. A piscina estava vazia e suja. Alguns azulejos já haviam sido removidos por Antônio, segundo ele, início da destruição do local. “Vou desmanchar custe o que custar se não eu vou perder a cabeça”, disse o eletricista.

Valmir de Albuquerque confessa que o deficiente nunca chegou a usar a piscina e afirmou ser uma área de lazer apenas para a família. “Todos nós trabalhamos. No fim de semana não tinha nenhuma opção de lazer. Isso era para todos nós e agora será destruído”, disse.

Discórdia - Luiz Martins, filho de Marina, acusa os tios de usarem o lugar para festas particulares, churrascos e até mesmo batizados da igreja a qual os parentes freqüentam e diz que a mãe dele não tem acesso a esses “luxos”.

“Eles contrataram um caseiro para morar ali. Inclusive a ligação de água que eles têm é clandestina”, afirma Luiz.

Irritado, proprietário mostra área que é ocupada por 3 famílias.Irritado, proprietário mostra área que é ocupada por 3 famílias.

Ele relata ainda que já entrou em contato com a prefeitura que envia fiscais no local e nunca resolveram o problema. Ele diz ter medo que, caso insista, seja pedido pelo órgão a reintegração de posse.

Controvérsias - O eletricista rebate as acusações do sobrinho dizendo que são os parentes que criam os problemas discussão após discussão. Ele diz que muitas vezes, enquanto a família dele e de Valmir estavam fora, Marina e o filho alugaram a área de lazer para almoços de terceiros.

“Eles têm uma rixa. Já denunciaram que roubávamos a água que passava pelo cavalete e até mesmo focos de mosquito da dengue e mato alto. Não conseguiram fazer nada”, disse Antônio.

Irregular - A Prefeitura de Campo Grande cancelou em 2007 todos os contratos de comodato, passando a vigorar o termo de autorização de uso para os moradores que vivem nessas situações. Em várias localidades já está em andamento um processo para retirada das famílias para casas populares e no local haverá projetos de urbanização.

As casas em questão estão com as marcas em vermelho feitas pela Prefeitura para indicar as famílias que já foram cadastradas.

O Campo Grande News entrou em contato com a Semadur (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) sobre o caso. Eles disseram não terem conhecimento de problemas no local.

O chefe da divisão das áreas verdes Orcival Júnior disse que não há como tomar uma decisão sem conhecer o problema e falou que vaio checar a denúncia. “Tem que olhar primeiro”.

Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


ESSAS AREAS DE COMODATO JA ESTÃO SENDO LEGALIZADAS E AS PESSOAS VÃO RECEBER UM CARNE PARA PAGAR PELOS TERRENOS E VÃO PAGAR IPTU E ASFALTO COMO TODOS QUE TEM CASA PROPRIA . E VOCE QUE É DESENFORMADO ACHA MESMO QUE O PREFEITO NÃO SABE OQUE FAZ FICA NA SUA O NOSSO PREFEITO É MUITO BOM E SABE ORGANIZAR A NOSSA CIDADE.
 
ARTUR GABRIEL em 01/07/2011 03:44:54
Essa questão do comodato é uma verdadeira patifaria política,dão os terrenos em troca de votos,vide a Chácara das Mansões que estão favelizando aonde era para ser uma reserva natural e praça de lazer.É o país dos "espertos" e danem-se aqueles q pagam iptu.
 
José Ricardo Menezes Tortorelli em 22/02/2011 12:12:49
Em um local como este onde a tamanha desinteligência constantes tenho certeza de que nunca houve Batismo religioso, esse povo não deve saber o que essa palavra batismo siginifica, por que caso contrario jamais usaria para argumentos de tão baixo nivel.*" caso tenha havido quero saber o nome dessa igreja e quantas pessoas foram batizadas, por que esse Batismo não tem validade".
 
Jane Leanndro em 22/02/2011 01:30:39
Se a área de comodato é para cultivo e criação de animais para o sustento de famílias, porque nessa área tem piscina e área de lazer para uma família???? Quanto abuso feito com o pagamento de nossos impostos... com certeza eles não pagam IPTU da área... que eles comprem uma área e façam um clube particular ou para alugar... chegar de mordomias a custa da população trabalhadora e honesta.
 
Rosemarie Pereira em 21/02/2011 05:09:48
PREFEITURA......REINTEGRAÇÃO DE POSSE JÁ!!!!!!

COMODATO PARA QUEM REALMENTE PRECISA!!!!!
 
Gilmar candido em 21/02/2011 05:04:44
tudo isso é o famoso olho gordo, inveja das bravas e falta de deus nas familias, esse povo não tem ok fazer.
 
lucimar borges em 21/02/2011 04:03:45
Quem desembolsa R$15.000,00 para construir uma piscina, pode muito bem comprar um terreno e construir sua casa, sem depender de ficar "morando de favor" em área pública.
 
Edivaldo Moraes em 21/02/2011 02:42:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions