ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 24º

Capital

"Por que ele fez isso?", diz avó em júri de ex-militar que matou esposa

Ex-militar é julgado nesta sexta-feira, em Campo Grande, por feminicídio

Dayene Paz e Bruna Marques | 25/11/2022 09:59
Alcilete durante depoimento no Tribunal do Júri. (Foto: Marcos Maluf)
Alcilete durante depoimento no Tribunal do Júri. (Foto: Marcos Maluf)

"Por que ele fez isso? Não era tão simples ter largado?". O questionamento é de Alcilete Albuquerque de Freitas, avó de Natalin Nara Garcia de Freitas Maia, morta aos 22 anos pelo marido, o ex-militar da Aeronáutica, Tamerson Ribeiro de Lima Souza. Alcilete foi ouvida durante o júri do ex-militar, que ocorre nesta sexta-feira (25), no Fórum de Campo Grande.

A avó contou que Natalin chegou a comentar algumas vezes que queria se separar, pois o relacionamento com Tamerson não estava bem. "Mas falou que se separasse dele, ele a mataria". Ao lembrar dos momentos, a avó chorou. Comentou que a filha de Natalin, de 5 anos de idade, pergunta da mãe com frequência. "Ela fala 'vozinha to com uma saudade da minha mãe, tão grande', eu respondo 'olha sua mãe está lá no céu'".

A mãe de criação de Natalin, Simone Vilela de Jesus Floriano, de 37 anos, também foi ouvida no júri. Contou que presenciou apenas uma briga entre o casal e também confirmou que Natalin queria se separar. "Ele se fazia de sonso para tudo. Ela [Natalin] falava sempre 'o Tamerson me tira do sério'", afirma a tia.

No dia do crime, após ter matado Natalin, Tamerson ligou para Simone. "Me ligou perguntando se eu tinha notícias da Natalin, estava preocupado, chorou um pouco e falava que estava com medo de ter acontecido alguma coisa com ela. Não foi de boa a ligação", comenta. Ao saber pela polícia que ele quem teria matado Natalin, Simone diz não ter acreditado. "Pensei 'é mentira', não acreditei, porque ele era a pessoa que eu depositava todas as esperanças de um futuro para a filha da Natalin", ponderou.

Júri - Tamerson foi denunciado pelo crime de homicídio triplamente qualificado pelo motivo torpe, asfixia e feminicídio, além da ocultação de cadáver. O júri desta sexta-feira é presidido pelo juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri.

O crime ocorreu no dia 4 fevereiro deste ano. Na denúncia, o Ministério Público de Mato Grosso do Sul descreveu que o réu agiu por motivo torpe, pelo fato da vítima chegar em casa embriagada e o ter xingado. Além disso, há indícios de que a filha do casal, de 4 anos, presenciou o crime.

O caso – No dia 6 de fevereiro deste ano, o corpo de Natalin foi encontrado na margem da BR-060, saída para Sidrolândia. A investigação aponta que a jovem foi morta em casa. Tamerson Souza alegou ter sido agredido pela esposa, que chegou embriagada e sob efeito de drogas. Para se defender, tentou segurá-la aplicando um golpe mata-leão e a mulher desmaiou.

O ex-militar justificou que não teve intenção de matá-la. Com medo de ser preso, Souza colocou o corpo no porta-malas do veículo e, no outro dia, levou a filha para a escola com o corpo dentro do carro. Ele deixou a menina e depois seguiu para a rodovia e jogou o cadáver em meio a um matagal.

Quando a polícia chegou à casa do casal e o questionou sobre Natalin, disse que a esposa havia ido embora. Também tentou despistar as amigas dela, respondendo as mensagens no celular e se passando pela vítima. Segundo investigação, chegou a dizer para a filha, antes de o corpo ser localizado, que a mãe passou mal e morreu no hospital.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também