ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Prefeita debate logística de importação e exportação com ministro na Capital

Reunião foi com ministro da carreira diplomática, João Carlos Parkinson de Castro

Por Liana Feitosa | 23/05/2022 16:58
Prefeita e ministro ao centro, com demais membros da equipe da prefeitura. (Foto: Glenda Gabi/ Prefeitura)
Prefeita e ministro ao centro, com demais membros da equipe da prefeitura. (Foto: Glenda Gabi/ Prefeitura)

A prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes, se reuniu nesta segunda-feira (23) com o ministro da carreira diplomática do Ministério das Relações Exteriores, João Carlos Parkinson de Castro, para debater sobre planejamento estratégico de logística de importação e exportação em Campo Grande. O ministro está em Campo Grande para o evento de integração dos municípios do Corredor Bioceânico.

No encontro, a prefeita compartilhou estratégias da prefeitura para atrair investimentos estrangeiros. Também participou da reunião a subsecretária de Gestão e Projetos Estratégicos, Catiana Sabadin. “Estamos trabalhando para ser a capital das oportunidades e Campo Grande tem papel fundamental nos corredores de integração, não apenas pela logística, mas também pelo ambiente propício que temos aqui”, afirmou a prefeita.

“Já finalizamos o Terminal Intermodal de Cargas e os estudos de viabilidade econômico-financeira para ativar os serviços já estão em andamento. Além disso, temos tecnologia, mão de obra capacitada, serviços de transporte e uma cidade preparada para ser o distribuidor logístico”, completou Adriane.

O ministro aproveitou a reunião para detalhar com a prefeita os trabalhos do ministério para a valorização da malha oeste. “Nosso propósito é construir uma rede de obras de infraestrutura com hidrovias, portos, interconexões energéticas e de comunicações e corredores rodoviários. Duas dessas rotas são a Hidrovia Paraná Paraguai e a chamada Rota Bioceânica”, detalhou.

“O objetivo é encurtar as distâncias, otimizando as exportações do Centro-Oeste brasileiro a mercados como Ásia, Oceania, Estados Unidos e Chine”, explicou Castro.

Nos siga no Google Notícias