ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 18º

Capital

Prefeitura cita lucro alto de empresas para impedir novo aumento do ônibus

Município tenta novamente afastar obrigatoriedade de fazer revisão que pode alterar tarifa

Por Maristela Brunetto | 27/05/2024 13:10
Município faz nova tentativa de evitar a ordem de fazer revisão contratual que pode mexer no preço da passagem (Foto: Arquivo/ Alex Machado)
Município faz nova tentativa de evitar a ordem de fazer revisão contratual que pode mexer no preço da passagem (Foto: Arquivo/ Alex Machado)

 A Prefeitura faz nova tentativa de suspender decisão liminar que a obrigou a fazer uma revisão contratual este ano, que poderia ocasionar nova alteração no preço do transporte coletivo em Campo Grande. Embargos de declaração foram apresentados para a 2ª Câmara Cível do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) considerar estudo que demonstra que as empresas obtiveram lucro de R$ 1,2 bilhão, afastando a necessidade de revisão, que deve ocorrer a cada sete anos da concessão, conforme o contrato.

O valor apresentado pela Prefeitura foi apontado em março pela Agereg (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos) e levado ao TJMS na semana passada. Ele retrata o período de 2012 a 2019, conforme a Agência.

No pedido de análise da argumentação, no julgamento dos embargos, a Administração menciona que espera a análise das novas informações, porque superam dados anteriores, que seriam somente projeções, e podem interferir no desfecho do litígio com as empresas. “Os novos estudos demonstram que inexiste a necessidade da realização da revisão contratual ensejando o aumento da tarifa, conforme requerido pelo Consórcio Guaicurus, pois constatou-se que nos exercícios financeiros apurados de 2012 a 2019 que a receita auferida pelo Consórcio foi de R$ 1.277.051.828” constou em trecho.

O que a Prefeitura pretende é que os desembargadores suspendam os efeitos de liminar que determinou no final do ano passado a aplicação do reajuste anual e a realização da revisão que deve ser feita a cada sete anos até que o mérito seja julgado pelo magistrado da 4ª Vara de Fazenda Pública e Registros Públicos. Além de apontar os lucros das empresas, também consta no pedido que há risco de incidir multa se a liminar persistir.

Em outra frente, na ação em primeiro grau a Prefeitura pediu que a ação movida pelas empresas seja reunida com outra, de 2019, apresentada pelo Consórcio para a produção antecipada de provas, na qual tentam exatamente reunir elementos para demonstrar que o contrato é deficitário. Nessa ação, já foi apresentada uma perícia contábil e agora a Justiça determinou a realização de outra para avaliar o equilíbrio do contrato.

Em março houve reajuste da passagem para R$ 4,75. As empresas queriam uma tarifa técnica de R$ 7,79, mas o valor atual é de R$ 5,95. Essa tarifa define a diferença que a Administração paga para ajudar a custear os bilhetes pagos pelo usuário, ficando para o poder público a diferença de R$ 1,20.

Nos siga no Google Notícias