ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 27º

Capital

Prefeitura não chega a consenso e enfermeiros votarão sobre greve na Santa Casa

Capital afirmou não ter condições de arcar com aumento de R$ 1,5 milhão para o setor

Guilherme Correia e Lucia Morel | 21/09/2022 20:29
Entrada da Santa Casa de Campo Grande. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Entrada da Santa Casa de Campo Grande. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Prefeitura de Campo Grande alega estar impossibilitada de ampliar o repasse solicitado pela Santa Casa e a categoria dos enfermeiros da unidade filantrópica de saúde votará indicativo de greve na próxima sexta-feira (23), que poderá ter início já na próxima terça-feira.

A falta de consenso ocorreu durante reunião do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), na qual participaram representantes da Santa Casa de Campo Grande, prefeitura da Capital e governo do Estado.

A Santa Casa alega que os R$ 28 milhões aprovados em contrato são insuficientes para manter a administração do serviço e propôs que o governo estadual pagasse outros R$ 3 milhões e que a prefeitura custeasse R$ 1,5 milhão.

No entanto, segundo o presidente do Siems (Sindicato de Enfermeiros de Mato Grosso do Sul), o Executivo municipal  afirmou que está impossibilitado de ampliar o repasse. “O Estado não criou nenhum problema para chegar nesse consenso, mas a prefeitura foi irredutível. Disse que não tem como repassar mais R$ 1,5 milhão.”

“Infelizmente, diante dessa situação toda, de não haver acordo, não vamos aguardar nenhum tipo de discussão. Fizemos uma assembleia com os trabalhadores e sexta-feira vamos votar indicativo de greve. Na terça-feira, começamos uma greve geral na Santa Casa, por tempo indeterminado. Será observada escala de greve, mas 70% dos trabalhadores irão aderir e outros 30% estarão atendendo a demanda do hospital.”

Em 2019 o hospital recebia R$ 23,936 milhões por mês em recursos para custear seu funcionamento. Esse mesmo valor foi praticado não apenas em 2019, mas mantido também em 2020, 2021 e 2022, mesmo com o aumento da inflação ao longo dos últimos anos.

Nos siga no Google Notícias