A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

27/06/2012 13:45

Preso que alimentava Facebook pelo celular é isolado na Máxima

Paula Vitorino

Mordomia foi descoberta hoje. Preso conversava com amigos, namorada e familiares

Perfil do Facebook de Alexander. (Foto: Reprodução)Perfil do Facebook de Alexander. (Foto: Reprodução)

Preso desde 2009, Alexander Pereira Fresneda, de 28 anos, mantinha contato com familiares e amigos por meio de perfil no Facebook, alimentado via celular. Alex cumpre pena por tráfico de drogas e posse de arma no Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande e a mordomia só foi descoberta hoje (27) pela Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário).

Em nota, a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) informou que o perfil do preso foi desativado, no entanto, a reportagem verificou que o perfil continua na rede social.

Como punição ao detento, a Secretaria informou que Alexander está isolado em cela disciplinar. Procedimento de investigação também foi instaurado na unidade para apurar o fato.

No perfil social, o preso usa o nome de Alex Pereira e têm 79 amigos, entre eles diversos familiares - o irmão, a mãe, a avó, o tio e a tia. As atualizações, fotos e conversas com os amigos, eram feitas frequentementemente.

As últimas atualizações foram feitas no último dia 16 deste mês, sendo uma delas a mudança do status para “relacionamento sério” e a frase da namorada: "Adorei o dia de hoje, foi o mais lindo de toda a minha vida".

A última mensagem postada por ele foi: “Quando pensamos q ta tudo perdido um anjo aparece para ilumina os caminhos.....e isso so acontece pq DEUS permite e sab quais sao nossas dificuldades”.

Na maioria das postagens, Alex falava da família, dos amigos e o conteúdo era de superação, dizendo que estava passando por um momento difícil, mas que ainda seria motivo de orgulho.

Foto no álbum do perfil de Alex. Foto no álbum do perfil de Alex.

As frases eram comentadas pelos amigos, também com mensagens de apoio e força, ignorando o fato do detento desrespeitar as leis de segurança e utilizar aparelho celular dentro do presídio.

Alex é primo do brasileiro Hemerson Pereira Fortkamp, de 30 anos, que morreu após ser espancado em frente a uma boate, em Portugal, em janeiro deste ano. O irmão de Alex estava com Hermerson no local e também foi agredido.

Na ocasião, Alex chegou a deixar mensagem para o irmão dizendo para esperá-lo porque eles iam “tirar essa fita a limpo”.

O Facebook era utilizado desde o fim do ano passado, quando até mensagem de Feliz Ano Novo o detento publicou.

A reportagem também encontrou o perfil do preso no Orkut, mas utilizando o nome de Alexander Fresneda. Aparentemente o perfil está sem atualização, mas ainda conta com 9 amigos e diversas fotos de Alex no período em que estava em liberdade.

Sistema em xeque - Na semana passada, outro exemplo de falta de monitoramento no sistema penitenciário da Capital foi denunciado pela imprensa. Vídeo revelado pelo programa o Povo na TV mostrava a farra de detentos utilizando drogas em festa dentro de cela do Presídio de Trânsito.

Ainda na nota de esclarecimento, a Sejusp afirma que está tomando medidas pontuais para impedir novamente o uso de materiais proibidos nas penitenciárias com a intensificação de operações "pente-fino".

As vistorias irão contar com a participação da Polícia Civil, além da Polícia Militar, no sentido de garantir mais agilidade na identificação e responsabilização do autor da infração.

Sobre o uso de aparelhos celulares, a Agepen diz que está buscando junto às operadoras de telefonia o bloqueio do sinal telefônico no complexo penitenciário de Campo Grande, o que na avaliação da Agência, “é a única maneira efetiva de coibir definitivamente o uso de aparelhos celulares pelos detentos”.

Ainda de acordo com a nota, empresas especializadas já estão elaborando estudos com relação ao melhor sistema de bloqueio no complexo penitenciário. A maior dificuldade é a presença de torre de telefonia instalada próxima aos presídios.



Faz sentido o que o Moisés falou, o sistema prisional brasileiro precisa de novas ferramentas de ressocialização e recuperação de presos.
 
Oswaldo Benites Junior em 28/06/2012 07:56:11
Na realidade, quando a populacao se mudou para o Jardim Noroeste, os presidios ja existiam ali, digo ainda, q mesmo se o governo mudar o presidio de endereco... logo teria um bairro inteiro em torno novamente... quanto ao uso de celulares e contato com a familia... eles ja tem contato... todos os fins de semana...
 
mara cruz em 28/06/2012 05:22:07
o Presidio ja não pode mas ficar aqui, o jardim noroeste cresceu esta populoso, sera q os governates não ve isso, por favor tira este presidio daqui. Foi o tempoq aqui era só mato, agora tem varios conj. habitacionais.
 
Rafaela Muniz em 27/06/2012 06:26:38
Existe realmente dois pesos e duas medidas, pois há vários casos em que detentos usam os celulares para comandar crimes, o detento em questão não parece querer continuar no crime, então, deveria permitir a ele e a outros detentos manter contato com familiares e amigos, desde que supervisionados, se for para ressocializar porquê não usar a internet é a ferramenta atual.
 
Moisés Chaves em 27/06/2012 05:02:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions