ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  30    CAMPO GRANDE 15º

Capital

Protesto termina e prefeitura mantém sorteio de pontos para ambulantes

Diretor-presidente da Agetran explica que regras foram definidas sob a supervisão do MPE

Por Anahi Zurutuza e Christiane Reis | 23/01/2017 17:04
Manifestantes fecharam a avenida Gury Marques, em frente ao Terminal Guaicurus (Foto: Alcides Neto)
Manifestantes fecharam a avenida Gury Marques, em frente ao Terminal Guaicurus (Foto: Alcides Neto)
Guarda Municipal organizou o trânsito, que foi liberado a cada 15 minutos (Foto: Alcides Neto)
Guarda Municipal organizou o trânsito, que foi liberado a cada 15 minutos (Foto: Alcides Neto)

Sentido-se injustiçados com a distribuição dos pontos para ambulantes nos terminais de ônibus, trabalhadores fecharam a Avenida Gury Marques no início da tarde desta segunda-feira (23) pedindo a revisão das regras. O diretor-presidente da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Janine de Lima Bruno, disse que o sorteio não será refeito.

“As regras foram definidas por uma comissão e publicadas em edital. Um integrante do MPE [Ministério Público Estadual] acompanhou o sorteio, não tem o que contestar”, afirmou Bruno.

Os insatisfeitos fizeram protesto em frente a Agetran, fechando a avenida Gury Marques em frente ao Terminal Guaicurus, que só foi liberada para o tráfego por volta das 17h. Eles exigiam a presença do prefeito Marquinhos Trad (PSD) para rediscutirem as regras do sorteio.

“Queremos que anule esse sorteio. Está tudo errado”, afirmou Custódia Pereira, a presidente da Associação dos Ambulantes de Campo Grande.

Regras – O diretor-presidente lembra que a comissão que definiu a regras para a distribuição dos pontos é formada por quatro servidores da Agetran e um representante da 67ª Promotoria de Justiça dos Direitos Humanos de Campo Grande, atendendo a recomendação feita pelo próprio MPE no dia 7 de outubro.

“Todos têm direito de concorrer desde que atendam aos requisitos, não poderia haver preferência, o próprio MPE entendeu assim”, afirmou sobre solicitação dos manifestantes de que o critério de antiguidade deveria ter sido levado em consideração.

O edital para recadastrar os interessados em trabalhar nos terminais saiu no Diário Oficial do Município do dia 23 de dezembro. No total, 156 ambulantes se inscreveram e dez tiveram o cadastro para participar do sorteio impugnado por falta de documentação. Portanto, 146 entraram na disputa por 135 vagas e 11 ficaram como suplentes.

Descontentes – Francisca dos Santos Silvas, de 75 anos, trabalhava há cinco anos no Terminal Morenão, e não conquistou a vaga para continuar no local. Ela afirma que está se sentindo traída. “Meu marido é doente, eu não sou aposentada, não sei o que vou fazer”.

Neide Carvalho de Souza, 45 anos, também participa do protesto. Ela trabalhava há oito anos no Terminal Bandeirantes e não foi chamada. Ficou como suplente, ou seja, numa fila de espera por algum ambulante que desistir do ponto. “O ponto é meu, sustento a minha família, mantenho a minha casa, como vou fazer?”, questiona.

Ambulante há cinco anos no Terminal General Osório, João Guedes Nogueira, de 69 anos, conseguiu manter o ponto onde vende água, refrigerante e salgados, mas diz entender os motivos dos manifestantes. “Para mim foi tranquilo porque eu fui sorteado, mas seria justo que pessoa que estavam há mais tempo tivessem preferência”.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário